Jornalistas estrangeiros relatam problemas no Maracanã


Jornalistas estrangeiros que participam da cobertura do jogo Itália e México no Estádio Jornalista Mário Filho, o Maracanã, relataram à Agência Brasil problemas na Copa das Confederações 2013. Mas, em geral, repórteres internacionais ouvidos pela reportagem aprovam a organização do evento.
O jornalista espanhol José Julio Segador, que trabalha para uma emissora alemã, cobriu a reinauguração do Maracanã, no jogo do Brasil contra a Inglaterra, no início do mês, e a abertura da Copa das Confederações ontem (15) em Brasília.
“Não encontrei problemas no Maracanã. E tive uma imagem positiva do estádio. Mas, em Brasília, encontrei alguns problemas. Tivemos dificuldade para nos locomover pelo estádio, havia pouca sinalização e quando queríamos nos deslocar de um lugar para outro, tínhamos que ficar perguntando para alguém. Além disso, o centro de mídia é muito longe do estádio, algo como quinze minutos a pé. E quando você tem que carregar equipamentos, isso não é muito bom”, disse.
O jornalista japonês Naoki Okumura, que já cobriu mundial de clubes da Federação Internacional de Futebol (Fifa) e a Copa do Mundo feminina sub-20, ambas no Japão, aprovou a organização da Copa no Brasil. “Para a Copa das Confederações, acho que está OK, porque o objetivo final é se preparar para a Copa do Mundo. Encontrei apenas pequenos problemas, como a checagem das credenciais, que eu acho que não está sendo muito exigente”, disse.
Stephan Wagner, de uma emissora de TV suíça, disse ter ficado positivamente surpreso com o estádio. “É difícil ter uma opinião muito aprofundada sobre isso, porque só estou aqui há dois dias. Mas, antes de vir, li muito nos jornais que haveria grandes problemas e que os estádios não estariam prontos. Até agora, tudo correu bem. Hoje, nós tivemos pequenos problemas na hora de checar as frequências para a transmissão da TV. Mas, de forma geral, tudo está OK”.