Nino, lateral-direito do Leão, garante ter se atrasado uma semana devido a doença da sogra


Dirigente do Rubro-negro disse que o jogador será multado

Rápido em campo, Nino demorou para explicar o motivo do atraso de sete dias no retorno das férias. Desde segunda (2) em Salvador, o lateral-direito alegou que passou uma semana a mais em Rio Tinto, interior da Paraíba, por conta da sogra Mária José, que estava com problemas de saúde. “A mãe da minha esposa estava doente. Compressão alta e dores no coração. Fiquei lá pra dar apoio. É mãe de minha esposa, né?”, disse e garantiu que dona Maria adoeceu só no fim de suas férias.

O problema é que ninguém do Vitória foi comunicado sobre o motivo do atraso. Desde 2009 na Toca, Nino alegou que não tinha o número dos diretores do clube para avisar. “Não tinha o número de nenhum deles. Mas quando cheguei, expliquei a Mário Silva (supervisor de futebol). Sobre a multa, ainda não sei”, informou.

O gestor de futebol do clube, Chumbinho, que está em Porto Alegre, garantiu logo na segunda-feira passada que o lateral seria multado. Agora é esperar seu retorno do Sul, que será hoje ou amanhã, pra saber como fica a situação.

Púbis – Como consequência da demora a aparecer na Toca do Leão, surgiram os boatos de que Nino estava negociando a saída do clube. Ele faz questão de negar. “Não chegou nada pra mim nem para o meu empresário. Quero permanecer no Vitória. Tenho contrato até o final do ano e quero ficar”, ratificou o lateral, que voltou da Paraíba se queixando de dores no púbis.

Nino garantiu que já saiu de férias com o problema. “As dores no púbis existem. Todo jogo eu estava tomando injeção para jogar. Voltei sentindo dor e não sei quando vou jogar”, afirmou. De acordo com o exame, não há lesão. Apenas um edema na região pubiana.