Esportes

Após alta, jogador da Chapecoense Alan Ruschel curte fim de semana em família

Na casa dos pais, Ruschel recebeu a visita de diversos amigos e familiares

Agência O Globo

De volta à sua cidade natal, Nova Hartz, no Rio Grande do Sul, após ter alta do hospital em Chapecó, o lateral Alan Ruschel, um dos quatro brasileiros sobreviventes ao grave acidente aéreo com o avião da Chapecoense, curtiu o fim de semana em família.

Na casa dos pais, Ruschel recebeu a visita de diversos amigos e familiares, como pode-se ver nos registros. Sempre vestindo a camisa da Chape e sorridente, o jogador posou para diversas fotos.

"Nosso guerreiro voltou. Glória a Deus... família reunida", escreveu Alison Ruschel, irmão de Alan, na legenda de uma das imagens.

(Foto: Reprodução/Instagram)


Alan Ruschel teve alta na sexta-feira, em Chapecó, mas só chegou a Nova Hartz no sábado e foi recebido com festa. Antes de deixar o hospital, Ruschel foi ao quarto do companheiro Neto, outro sobrevivente, e posou para uma foto com o amigo. Mais do que isso, bateu um longo papo.

- Na conversa que eu tive com o Neto, ele me contou que ele lembra de tudo. Até a queda né... Ele falou que estava um voo tranquilo, normal. Até que as luzes se apagaram e deu uma queda de energia do avião e já se acendeu a luz de emergência. Não falaram nada e ele começou a orar. Começou a pedir para Deus para proteger ele e a todos do voo. A partir dali, ele não lembra de nada - disse Ruschel, sobre a conversa, ao Fantástico.

Alan ao lado de uma das irmãs. (Foto: Reprodução)


O jogador planeja voltar aos gramados em seis meses.

- Serão três meses para calcificar a lesão na coluna e depois mais três para recuperar o peso. Perdi 10 kg nesses 16 dias - disse Ruschel.

O próximo a ter alta será o jornalista Rafael Henzel, que deve deixar o hospital em Chapecó nesta segunda-feira. O goleiro Follmann, que teve parte da perna direita amputada, e o zagueiro Neto seguirão internados. Follmann passará por uma nova cirurgia.

O acidente com o avião da LaMia, que levava jornalistas e a delegação da Chape para a partida contra o Atlético Nacional em Medellín, matou 71 pessoas.