Futebol

Brasil terá pela frente na final um Peru diferente do que goleou na primeira fase

Seleção peruana chega à decisão da Copa América, domingo, sem lembrar o time batido por 5 a 0 há 12 dias, na primeira fase da competição

Carlos Eduardo Mansur, Agência O Globo
- Atualizada em

Uma surpreendente seleção peruana derrotou ontem o Chile por 3 a 0 , em Porto Alegre, para carimbar sua vaga na final da Copa América e confirmar uma revanche com o Brasil, domingo, às 17h, no Maracanã. No primeiro encontro entre os dois, na fase de grupos, o Brasil goleou por impiedosos 5 a 0 na Arena Corinthians, em São Paulo.

O Peru pode não ser um time tão brilhante quanto a vitória de ontem sugere, mas, claro está, não é um time tão ruim quanto muita gente supôs após a goleada sofrida para o Brasil 12 dias atrás. Aliás, na ocasião já se alertava que os primeiros minutos tiveram até certa imposição peruana. A seleção mudou o jogo ao achar dois gols sem chegar a produzir tanto, um deles, numa falha bisonha do goleiro Gallese, dono de atuação brilhante ontem, na semifinal de Porto Alegre.

Na primeira fase, Brasil derrotou o Peru por 5 a 0 / Foto: Lucas Figueiredo / Divulgação CBF
Então, o que espera o Brasil na final de domingo? Ontem, por 25 minutos, o Peru vitimou o Chile com uma arma que, em outros tempos, esta geração chilena impunha aos adversários: pressão sufocante na saída de bola e um jogo agressivo que resultou no gol de Flores. Há alguns anos, o habitual era ver o Chile sufocando a posse de bola rival. Não é mais possível com um time que ontem iniciou a partida com nove jogadores de 30 anos ou mais.

Mas o Peru repetirá tal pressão contra o Brasil? Difícil prever algo sobre este time camaleônico. O jogo dos 5 a 0, um ponto fora da curva para esse time, começou com uma tentativa peruana de adiantar a marcação e, por mais que a goleada encubra, a estratégia deixou o Brasil desconfortável até achar o 2 a 0. Mas o resultado pode produzir um Peru escaldado e mais cauteloso. Contra o Uruguai, nas quartas de final, marcou mais atrás e amarrou o jogo.

E, se optar por ser mais cautelosa, a seleção treinada pelo argentino Ricardo Gareca desde o início de 2015 pode ser perigosa no contra-ataque. Foi o que fez no segundo tempo de ontem, quando o Chile, em desvantagem, buscou ter mais posse e se adiantar. Ficou exposto que os peruanos têm certa dificuldade de marcar perto de sua área. Mas aproveitaram o espaço às costas da defesa do Chile para aplicar o golpe fatal: um passe longo às costas da zaga permitiu a jogada de Carrillo e o belo gol de Yotún.

O Peru do segundo tempo não impedia que o Chile criasse chances e Gallese se tornasse o grande nome da noite, com defesas incríveis, pegando até mesmo um pênalti de Vargas já nos acréscimos, com a partida decidida. Mas mostrava que vale ter atenção com as escapadas rápidas de Flores e Carrillo pelos lados. E o bom volante Tápia ainda daria belo passe, aos 45 do segundo tempo, para Guerrero fazer o terceiro com categoria.

Por falar no atacante ex-Corinthians e Flamengo, e hoje no Internacional, trata-se de um caso à parte. Sua capacidade de fazer o time jogar é acima da média e independe do número de gols que faça. Quando o Peru se vê pressionado, é capaz de recebe bolas longas e aparar até que os companheiros cheguem.

Outro ponto de atenção que a defesa brasileira deve ter é com a movimentação de Cueva entre as linhas de marcação do rival e aproximando-se de Guerrero. Contra o Chile, fez ótima partida, assim como Yotún.

Se depender do histórico, o Brasil é amplo favorito. Nos 44 duelos contra o Peru, a seleção venceu 31, empatou nove e só perdeu em quatro oportunidades. Na Copa América, a vantagem brasileira é mantida. Foram 12 vitórias, três empates e três derrotas.

O último revés, porém, foi doloroso. A vitória peruana por 1 a 0 na Copa América do Centenário, em 2016, determinou a queda da seleção brasileira ainda na primeira fase da competição, e a demissão do técnico Dunga. Na última vez que o Peru conquistou a competição, em 1975, eliminou o Brasil nas semifinais.

O Brasil tem melhor time, mas ao contrário do que indica a goleada recente, o Peru merece cuidados. O domingo promete uma grande final no Maracanã.