Copa 2018

'Brocador' Diego Costa garante vitória da Espanha contra o Irã

Depois de dois gols na estreia, brasileiro naturalizado espanhol voltou a marcar

Sérgio Luz, da Agência O Globo
- Atualizada em

Numa partida em que a Espanha mostrou as mesmas fraquezas defensivas de sua estreia contra Portugal, o Irã, que adotou novamente um esquema totalmente defensivo, vendeu caro a derrota por 1 a 0 para a equipe do recém-empossado técnico Fernando Hierro. Com gol típico de "brocador" do atacante Diego Costa, que marcou de joelho após disputa com o lateral iraniano Rezaian, a seleção da nação ibérica conquistou a sua primeira vitória na Copa do Mundo da Rússia.

Após tirar Thiago — que era titular e camisa 10 de Lopetegui — na estreia, o novato Hierro sacou Koke, que havia substituído o jogador do Bayern de Munique, e recuou Iniesta para atuar ao lado do primeiro volante Busquets. Assim, Lucas Vásquez entrou na parte ofensiva do meio-campo do 4-2-3-1 espanhol ao lado de David Silva e Isco. A outra mudança efetuada foi a volta de Carvajal na lateral-direita, que havia perdido o primeiro jogo por problemas físicos.

Sem a mínima vocação ofensiva, o Irã, que passou pelas eliminatórias de maneira invicta, não sabia o que fazer nas raras vezes em que subiu. Numa delas, Taremi pensou que estava impedido e não seguiu com a jogada. Quando percebeu que o lance era válido, já era tarde demais para cruzar com calma.

Tranquila, sem se desesperar pelo primeiro gol que não saía, a Espanha usava a habilidade refinada de seus meias. Em triangulações e trocas de passe certeiras, La Roja buscava abrir o marcador, mas parava no paredão armado pelo técnico português Carlos Queiroz.

A primeira chance realmente clara veio numa puxeta de David Silva, que quase marcou um golaço em bola alçada na área. Mas era difícil invadir uma defesa que chegava a se proteger com duas linhas de quatro dentro da área, quando não colocava os dez jogadores de linha na mesma região do gramado.

A segunda vez em que a Espanha mais levou perigo no primeiro tempo foi justamente com o meia do Manchester City, que tabelou e chutou para o gol, mas a bola desviou e saiu pela linha de fundo.

Com o ônibus do Irã devidamente estacionado em frente à meta do goleiro Beiranvand, faltava à Espanha os chutes de fora da área, artifício que tanto Isco quanto seu colega de Real Madrid Asensio (no banco de reservas) têm em seu arsenal.

Então, os espanhóis passaram a arriscar bolas pelo alto. Num escanteio, Piqué quase fez o primeiro, mas a zaga impediu o gol em cima da linha. Jogando por um lance fortuito, o Irã chegou perto de marcar num chute de Ansarifard, que balançou a rede lateral.

Foi então que o brigador e turrão Diego Costa apareceu para tirar o zero do placar. Após passe precioso de Iniesta, o brasileiro naturalizado espanhol trombou contra zaga e marcou de joelho, sem querer, depois que a tentativa de isolar a bola do lateral-direito Rezaian espirrou no jogador do Atlético de Madrid e entrou no gol iraniano, aos nove do segunto tempo.

Minutos depois, o Irã assustou a seleção do país ibérico. Aproveitando lançamento de uma cobrança de falta, o jovem meia Ezatolahi, de 21 anos, matou e chutou entre as pernas de De Gea, mas o gol foi invalidado pelo árbitro uruguaio Andres Cunha. De fato, além de impedido, o jogador iraniano havia amortecido a bola com o braço.

Na sequência, quem passou sufoco foi o Irã. Depois de uma jogada ensaiada de escanteio, Iniesta recebeu passe rasteiro de Isco e rolou chute de Sergio Ramos. No rebote, Piqué e Diego Costa chutaram tudo o que viram pela frente para tentar fazer o segundo, mas a defesa iraniana formou um bolo humano e não permitiu o gol. O lance, no fim das contas, acabou parado pelo juiz, que marcou impedimento do zagueiro do Barcelona.

Precisando empatar, o Irão logo foi para o ataque. Numa dessas incursões ofensivas, o atacante Amiri deu um drible desconcertante em Piqué. Com categoria, passou a bola entre as pernas do defensor catalão e cruzou para Taremi, que quase fez de cabeça.

Apesar do sofrimento, a Espanha ficou perto de sua classificação com a vitória, chegando aos mesmo 4 pontos dos portugueses, que vão decidir contra o Irã (3 pontos) no jogo final da primeira fase. Sem pontuar, o Marrocos, que enfrentará a Espanha, já está desclassificado.