Futebol

CBF escolhe empresa para o árbitro de vídeo da Copa do Brasil

Entidade colocará projeto em prática a partir das quartas de final

Igor Siqueira, da Agência O Globo
Está definida a empresa responsável pelos serviços técnicos do sistema de árbitro de vídeo da Copa do Brasil-2018. A vencedora da concorrência realizada pela CBF é a Broadcasting TV, segundo apurou O Globo. A entidade, inclusive, já comunicou às participantes o resultado da licitação, que visa à aplicação a partir das quartas de final da competição nacional.
Foto: Marcos Paulo Ribeiro
A Broadcasting já fez serviços anteriores para a CBF, sendo a responsável pela transmissão do amistoso entre Brasil e Colômbia, em janeiro de 2017, disputado em homenagem às vítimas do acidente da Chapecoense. A empresa também foi responsável pelo suporte técnico dos experimentos de árbitro de vídeo nas finais dos Campeonatos Pernambucano e Catarinense e do Gre-Nal, pelo Gauchão. A avaliação, em geral, é que os serviços são de qualidade.
A estimativa da CBF é que o projeto custará entre R$ 40 mil e R$ 50 mil por jogo, dependendo do local das partidas (ainda desconhecido) e da logística de transporte. As imagens usadas para análise da arbitragem serão geradas pelos equipamentos da Broadcasting TV e não virão da emissora detentora dos direitos da competição.
Além de fornecer o aparato para os jogos da Copa do Brasil, a vencedora da licitação também terá que participar de toda a preparação dos árbitros para a execução. A comissão de arbitragem da CBF vai selecionar 16 árbitros e 16 assistentes para um treinamento intensivo, previsto para os meses de junho e julho. Com o cumprimento dessa carga horária a CBF ficará habilitada, segundo o protocolo definido pelo International Board, órgão que gere as regras do futebol.
Vale lembrar que não será possível contar com o árbitro de vídeo no Brasileirão porque os clubes rejeitaram a proposta da CBF, que foi aplicar a tecnologia no returno da Série A, com os próprios clubes assumindo a conta.
O edital da concorrência para o árbitro de vídeo foi lançado em 20 de fevereiro. A CBF estipulou uma série de pré-requisitos para a participação das empresas. Segundo o documento, ao qual O Globo teve acesso, a CBF não tinha "qualquer obrigação de aceitar a proposta com o menor valor". A entidade teria, pelo texto, "a liberdade, a seu absoluto critério, para escolher as propostas que mais plenamente atendam aos seus objetivos e requisitos"