Copa 2018

Colômbia é prejudicada por erro infantil e perde para o Japão

Time sul-americano ficou com menos um desde os dois minutos do primeiro tempo

Sérgio Luz, da Agência O Globo

Franca favorita para o duelo contra o Japão, a Colômbia foi vítima de um erro inexplicável de Carlos Sánchez. Apenas aos dois minutos de jogo, o experiente volante do Espanyol, de 32 anos, usou o braço direito para evitar que um chute de Kagawa chegasse ao gol. O resultado foi um cartão vermelho e um placar final de 2 a 1 para os nipônicos.

Após o lance, o árbirtro salvadorenho Damir Skomina não teve dúvida: marcou o pênalti e expulsou o jogador colombiano, que se tornou o primeiro de seu país a levar o cartão vermelho numa Copa do Mundo. Convertida pelo próprio Kagawa, a penalidade máxima gerou a segunda expulsão mais rápida da história dos mundiais e virou o gol mais rápido do Japão no torneio.

Com menos um, a Colômbia tentava equilibrar o jogo como podia, apostando em subidas pela direita, onde Cuadrado tentava dribles e arrancadas em velocidade. Aos 30 minutos, Jose Pekerman sacou o ponta da Juventus, até então seu melhor jogador em campo, para a entrada do volante Barrios, buscando reorganizar sua equipe.

A Colômbia tentava em passes longos pelo alto para Falcao García, que tinha que se virar com bolas que chegavam quadradas. A seis minutos do fim da primeira etapa, Quintero bateu falta à la Ronaldinho, por baixo da barreira, e Kawashima aceitou.

No primeiro terço do segundo tempo, Pekerman tirou Quintero para colocar James Rodríguez, que havia começado no banco de reservas devivo a problemas físicos. Maior nome do time ao lado de Falcao, o meia do Bayern de Munique, que vem de boa temporada, não conseguiu criar bons lances, dando apenas um chute, e ficou apagado e perdido em campo.

Aos 27, o Japão, que tem um elenco de baixa estatura, voltou à frente do placar em gol de cabeça do centro-avante Osako, que aproveitou escanteio para marcar o segundo dos nipônicos.

A Colômbia então buscou revidar na mesma moeda, dando lançamentos a esmo para tentar empatar em jogadas aéreas, mas o esforço não rendeu frutos. E mais uma zebra deu as caras na Rússia.