Copa 2018

Colômbia supera ausência de James, vence Senegal e garante vaga nas oitavas

Jogador do Bayern de Munique foi substituído ainda no primeiro tempo

Stéfano Salles, da Agência O Globo

Noventa minutos de lenta evolução. Depois de um início burocrático, em que se viu envolvida, com um meio-campo vulnerável que deixava a defesa exposta, a Colômbia mostrou poder de reação para vencer o Senegal por 1 a 0, em Samara, na tarde desta quinta-feira. O resultado, obtido em um estádio lotado de colombianos, que o pintaram de amarelo, garantiu à seleção sul-americana a passagem para as oitavas de final da Copa do Mundo na liderança do Grupo H, com sete pontos. Beneficiados pela vitória da eliminada Polônia sobre o Japão, em jogo simultâneo realizado em Volgogrado. Os senegaleses acabaram perdendo o segundo lugar para os asiáticos pelo número de cartões.

Agora, Colômbia e Japão aguardam a definição das posições do Grupo B, que já têm Inglaterra e Bélgica classificadas. Mas as duas seleções estão empatadas em sete pontos e se enfrentam logo mais, às 15h. Colombianos enfrentarão a segunda colocada, e os asiáticos terão pela frente a primeira.

SENEGAL VALENTE

Embora tenha perdido o jogo, o Senegal conseguiu transformar a pressão pelo empate em 2 a 2 com o Japão, na segunda rodada, em motivação. Ambicioso, organizado e ofensivo, o time africano controlou as ações no meio de campo durante o primeiro tempo. Criou as principais oportunidades de gol, tanto pela direita quanto pela esquerda, mas hesitava no momento de finalIzar.

O maior volume de jogo senegalês e as duas linhas de quatro formadas por defesa e meio campo não deixavam a Colômbia chegar ao ataque com a bola trabalhada. A primeira boa chance dos sul-americanos veio em uma falta perigosa cobrada por Quintero no canto direito. Atento, o goleiro N'Diaye espalmou com as duas mãos para escanteio.

SANTO VAR SALVA A COLÔMBIA
O trauma da estreia, quando Carlos Sánchez foi expulso logo aos três minutos por fazer pênalti na derrota por 2 a 1 para o Japão, voltou com tudo à memória da torcida colombiana aos 16 minutos. Foi quando outro Sanchéz, desta vez Davinson, deu carrinho por trás para desarmar Mané, e o árbitro zambiano Janny Sikazwe marcou pênalti. Ao revisar as imagens com o árbitro de vídeo, entendeu que o lance foi limpo.

A Colômbia voltou a levar perigo aos 24, em nova cobrança de falta. Quinteros levantou a bola para a área e Falcao Garcia apareceu livre para, de lado, cabecear: a bola saiu por cima do travessão.

Fragilizada por um James Rodríguez inseguro, substituído aos 30 minutos do primeiro tempo, possivelmente, desconforto na panturrilha, lesão que o fez ser poupado contra o Japão. Saiu de campo inconformado, sem mancar, e deu um murro no chão. Em sua vaga, entrou Muriel. Lentamente, a equipe começou a melhorar em campo, mas não conseguiu fazer Cuadrado e Quintero apresentarem o futebol vistoso demonstrado na vitória sobre a Polônia.


NOVA POSTURA NO SEGUNDO TEMPO
Mais organizada, a seleção sul-americana começou a se encontrar em campo na segunda etapa, embora não tenha chegado perto de demonstrar seu real potencial. O gol que não saia na partida aconteceu em Volgogrado: a Polônia abreiu o placar contra o Japão.

Depois de demonstrarem mais organização tática, os colombianos criaram boas oportunidades e chegaram ao gol da vitória aos 28 minutos. Cuadrado cobrou escanteio e Mina, de 1,95m, subiu mais que os marcadores para, de cabeça, marcar seu segundo gol neste Mundial. Ainda inebriado com o gol, aos 32, o zagueiro quase se atrapalhou em um escanteio cobrado por Keita Baldé, mas Ospina, atento, evitou o gol contra

A pressão desorganizada do time africano não surtiu efeito contra um adversário que pouco precisou criar para vencer. Inglaterra ou Bélgica, seja qual for o adversário colombiano nas oitavas, exigirá mais do time sul-americano, que tem potencial para subir de rendimento.