Futebol

Com lesão de Pedro, Tite fica sem chance de testar opção que faltou na Copa

Treinador apostava no atacante do Fluminense, mas há mais convocações no futuro

Igor Siqueira, da Agência O Globo
O estiramento nos ligamentos do joelho direito tira Pedro de atividade por pelo menos três semanas, mas também adia os planos de Tite de testar uma opção que faltou à seleção brasileira na Copa: uma formação com um atacante de presença de área e imposição física. No grupo que foi à Rússia, o Brasil tinha Gabriel Jesus e Roberto Firmino. O primeiro passou em branco a Copa toda e ficou fora da lista para os próximos amistosos.
(Foto: Reprodução / Instagram)
Firmino está na lista atual. Tite pode remediar chamando outro jogador com essa característica, mas, no momento, não há alguém semelhante se destaque tanto quando o camisa 9 do Fluminense.
A lesão de Pedro frustra um admirador. Tite já foi flagrado no Maracanã exclamando “joga muito” após um lance que quase resultou em gol do tricolor. Antes do anúncio da lista, a comissão técnica observou in loco duas partidas do Fluminense. Pedro passou em branco, mas isso não reduziu a moral dele.
Na coletiva após a convocação, Tite ressaltou a regularidade com a qual Pedro vinha jogando.Na atual temporada, o atacante do Fluminense tem 40 jogos e 19 gols. Uma média de 0,47 gol/partida. O treinador ainda citou que, pelas características, Pedro se parece mais a Fred, Leandro Damião e Henrique Dourado.
"Firmino é o jogador que é, 9, mas amplia mais a área para construção um pouco mais. Gabriel Jesus é atacante e coloca um pouco mais de profundidade. São características diferentes das do Firmino e do Gabriel Jesus, é um jogador mais de área", disse Tite.
No ciclo de dois anos, quem mais chegou perto de preencher essa lacuna de um centroavante mais robusto foi Willian José. Mas a presença dele na convocação para os últimos amistosos antes do anúncio da lista para a Copa, contra Rússia e Alemanha, não foi o bastante para lhe dar a vaga no Mundial.
A presença de um atacante de área cabe nas duas propostas táticas de Tite na seleção. O modelo inicial sempre é o 4-3-3 (ou 4-1-4-1). A variação, como visto em alguns jogos da Copa, é a troca para o 4-4-2. Deu certo contra o México, por exemplo. Mas isso não quer dizer que a exigência de gols na seleção ficará só com Pedro, quando ele tiver nova chance.
"O 9 faz gol como qualquer outro também faz gol", disse Tite.
A seleção brasileira está em uma fase de observações. A busca é ampliar o leque para a montagem da equipe visando à Copa América de 2019. Ainda haverá mais quatro amistosos neste ano (duas convocações), em outubro e novembro. Por isso, Pedro não precisa perder a esperança de, enfim, vestir a amarelinha. Ainda mais se conseguir voltar à boa fase após a lesão.