Copa 2018

Como a entrada de Fagner muda a seleção brasileira de última hora

Jogador tem comportamento diferente em relação a Danilo, que se machucou

Bruno Marinho e Igor Siqueira, da Agência O Globo

A lateral direita da seleção brasileira, mais uma vez, causa dor de cabeça para a comissão técnica. Com a lesão de Danilo na véspera da partida contra a Costa Rica, Fagner vira o titular do Brasil logo no segundo jogo da Copa do Mundo. Os dois jogadores têm características diferentes e essa alteração tende a alterar o comportamento da equipe de Tite, tanto ofensivamente quanto defensivamente.

(Foto: Pedro Martins/Mowa Press/Divulgação)

Será mais uma adaptação forçada na equipe brasileira no setor, já que Daniel Alves — um dos mais experientes e titular durante toda a preparação — não foi convocado por conta de uma lesão no joelho.

A primeira diferença é no biotipo. Danilo, de 26 anos, tem 1,84m de altura, enquanto Fagner, de 29 anos, tem 1,68m. Isso representa, de cara, uma distinção quando o assunto é bola aérea — meio pelo qual o Brasil, em que pese a falta sobre Miranda, levou o gol da Suíça na estreia.

Com Danilo, a seleção tinha uma figura que se preocupava mais com a parte defensiva do que com o apoio. Tanto que uma das críticas à seleção na estreia da Copa foi que o time ficou "torto", pendendo mais para o lado esquerdo, com Marcelo, Coutinho e Neymar, do que pela direita, com Danilo, Paulinho e Willian.

Fagner tem um comportamento mais corajoso ofensivamente, sai mais para o jogo e busca cruzamentos. A tendência é que Willian ganhe um companheiro mais participativo para tabelas e jogadas pela ponta. Mais técnico, Fagner tende a ser uma arma mais efetiva também na saída de bola da seleção. No entanto, resta saber como isso vai afetar o equilíbrio defensivo do Brasil, quesito tão elogiado por Tite. O que é inegável é a confiança que o treinador tem depositada em Fagner desde os tempos de Corinthians.

VAI E VEM DE LESÕES

Fagner se apresentou à seleção brasileira, há um mês, ainda em recuperação da lesão sofrida na coxa direita em 29 de abril, quando defendia o Corinthians diante do Atlético-MG, no Brasileirão. Desde então, não atuou mais em uma partida oficial.

O jogador voltou a treinar com bola no período da seleção brasileira em Londres, há cerca de 20 dias. Por conta do problema físico que teve no Brasileirão, já chegou em desvantagem na disputa com Danilo. Até a lesão de Dani Alves, ambos brigavam pela preferência de Tite como reserva da posição.

Agora, como Danilo também foi parar no departamento médico, os papéis se invertem. E muito em cima de um importante jogo para a seleção brasileira, que precisa vencer a Costa Rica, já que empatou na estreia.