Esportes

Edigar perde pênalti e Bahia é derrotado pela a Chape na Fonte

Tricolor foi surpreendido em casa e segue com tabu de nunca ter vencido o time catarinense na Série A

Gabriel Rodrigues, Correio 24h (gabriel.rodrigues@redebahia.com.br)

Na despedida do Bahia da Fonte Nova na temporada, o tricolor não conseguiu quebrar o tabu de nunca ter vencido a Chapecoense e foi derrotado pelo time catarinense por 1x0. O único gol da partida foi marcado por Wellington Paulista, ainda no primeiro tempo. O resultado deixou o tricolor na 11ª colocação, com 49 pontos. 

Foto: Marcelo Malaquias | EC Bahia

Antes da partida, foi respeitado um minuto de silêncio em homenagem às vítimas da tragédia na Fonte Nova, que completou dez anos neste sábado (25), e também às vítimas do acidente aéreo da Colômbia, que completa um ano no dia 29. No telão do estádio, imagens das vítimas foram exibidas. Cria da base tricolor, o ex-atacante Ananias foi ovacionado pela torcida.

Quando a bola rolou, foi a Chapecoense que começou mostrando as garras. Com apenas três minutos, Wellington Paulista invadiu a área e tocou de biquinho, mas o goleiro Jean fez a defesa. A resposta do Bahia veio com Zé Rafael. Depois da boa jogada de Juninho Capixaba, o meia recebeu de frente e mandou chute forte que passou ao lado direto da trave de Jandrei. 

O goleiro tricolor voltou a aparecer aos 18 minutos quando Apodi fez jogada de velocidade pela direita e chutou forte, mas Jean mandou para escanteio. Com pouca criatividade no meio-campo, o Bahia tentava explorar as jogadas de laterais com Eduardo e Zé Rafael, mas esbarrava na marcação da Chape. 

Quando o primeiro tempo se encaminhava para terminar empatado, a empolgação da torcida tricolor foi freada com um banho de água fria. No vacilo da defesa tricolor, Canteros aproveitou a bola lançada pelo goleiro Jandrei, invadiu a área e cruzou rasteiro para para a Wellington Paulista, que se antecipou ao zagueiro Thiago Martins e bate na saída de Jean, abrindo o placar para a Chape. 

Trave inimiga

No segundo tempo, Carpegiani fez mudanças no time. O meia Vinícius saiu para a entrada do volante Edson. Precisando reverter o placar, o tricolor foi para o ataque. O empate quando Mendoza ficou cara a cara com Jandrei, mas tentou de cabeça e o goleiro fez a defesa. 


Dois minutos depois foi a vez de Renê Júnior tentar de cabeça, mas dessa vez  a bola bate no braço de Douglas Grolli e o árbitro deu pênalti. Na cobrança, Edigar Junio bateu e mandou na trave. Para tentar mudar o panorama, Carpegiani sacou Allione e colocou Régis em campo, mas o Bahia conitnuou com dificuldades de furar o bloqueio armado pelo time catarinense. 

Aos 32 minutos o zagueiro Tiago caiu na área em confusão com o zagueiro Douglas Grolli, em cobrança de escanteio e os jogadores ficaram pedindo pênalti, mas o juiz mandou seguir. A situação do Bahia se complicou aos 39 minutos, quando Zé Rafael fez falta, recebeu o segundo amarelo e foi expulso. 

Sem conseguir reveter o placar, o tricolor somou sua segunda derrotada seguida no Brasileirão e praticamente deu adeus ao sonho de conquistar uma vaga na Copa Libertadores. O próximo compromisso do Bahia será contra o São Paulo, domingo (3), no Morumbi.