Futebol

Em vídeo, jogadores pedem para serem ouvidos na discussão sobre volta do futebol

"Estamos aqui e precisamos ser ouvidos com atenção. Afinal de contas, somos uma democracia", diz um trecho do comunicado

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)
- Atualizada em

Através de um vídeo produzido e divulgado pela Federação Nacional dos Atletas Profissionais de Futebol (Fenapaf), jogadores de diversos clubes se manifestaram sobre a Covid-19, pediram por trabalho seguro e para serem ouvidos na discussão sobre volta do futebol e questionaram Projeto de Lei do deputado Arthur Maia (DEM-BA).

Nenhum representante de Bahia e Vitória aparecem no vídeo. Participaram os jogadores Diego e Everton Ribeiro, do Flamengo, Fernando Prass (Ceará), Alecsandro (CSA), Leandro Castan (Vasco), Fernando Henrique (Santo André), Réver e Victor (Atlético-MG), Nenê e Hudson (Fluminense), Bruno Alves (São Paulo), Marinho (Santos), Léo e Fabio (Cruzeiro) e Felipe Melo (Palmeiras). 

"Brasil, é hora de união de todos. Somos um povo, uma nação, temos diferentes realidades na nossa classe. A maioria só trabalha três meses por ano. 95% de nós recebemos menos do que dois salários mínimos. Mudar as leis sem ouvir a gente? Isso não é legal. Estamos aqui e precisamos ser ouvidos com atenção. Afinal de contas, somos uma democracia. O povo brasileiro ama e quer o futebol de volta, nós também amamos e queremos voltar. Nossas famílias precisam de nós. Somos todos pelo trabalho, mas precisamos pensar na saúde de todos nós. Trabalho seguro, grandeza da nação. Com fé, venceremos essa partida juntos!" diz o texto do vídeo, assinado pela FENAPAF.

Essa foi a primeira vez que os atletas se manifestaram coletivamente desde a paralisação do futebol por conta da pandemia do novo coronavírus. 

Projeto de Lei

O projeto de lei do deputado Arthur Maia (DEM-BA) prevê, entre outras medidas, uma redução de 50% da cláusula idenizatória (que pode servir para compensar clubes ou jogadores por eventual quebra de contrato), além de outros pontos em benefício dos clubes, como o congelamento da cobrança do Profut.