Futebol

Entre pirraças e beijos: casal de flamenguista e palmeirense vive expectativa para final

Flamengo e Palmeiras disputam título da Libertadores neste sábado (27), às 17h, em Montevidéu

Cláudia Callado (claudia.callado@ibahia.com)
- Atualizada em

Para quem ama futebol, dia de jogo é coisa séria. Dia de final de um torneio como a Taça Libertadores, é mais ainda. E não só o dia, como a semana que precede a data. Neste ano, Flamengo e Palmeiras definem quem será o novo campeão da américa. Os “deuses do futebol” juntaram os dois últimos campeões do torneio e a maior (Flamengo) e a quarta maior (Palmeiras) torcida do Brasil, de acordo com pesquisa do Instituto Datatempo em setembro de 2021. 

Ou seja, a mobilização para o jogo deste sábado (27), às 17h, em Montevidéu, é enorme. E na casa de Tânia Pereira e Gildásio Portugal, um casal de Feira de Santana, o clima de expectativa é ainda maior. Enquanto Tânia é uma flamenguista “pirracenta”, como ela e o marido Gildásio definem, ele é palmeirense.  

“Quando eu o conheci há 13 anos, eu não sabia desse defeito”, brincou Tânia, em bate papo com o iBahia, sobre o fato do marido ser palmeirense.  

O amor de Tânia pelo Flamengo não começou de berço. Ela contou que na infância e juventude era torcedora do Bahia, por influência do pai. No entanto, quando uma irmã virou flamenguista, a soteropolitana, que hoje mora em Feira, viu o amor mudar de cores. O pai, no entanto, se manteve Bahia. A mãe, por outro lado, é...Palmeiras. Para a alegria de Gildásio. 

Dessa forma, a família toda está mobilizada para a final. A reunião já está definida: um churrasco na casa da mãe de Tânia, com direito a tentativa de “captar” novos torcedores. “Meu sobrinho [filho da irmã flamenguista] é Flamengo doente. Ele comprou camisa [do Flamengo] para todos os primos mais novos”, contou Tânia. 

Foto: Arquivo pessoal

Mas não são só os flamenguistas que estão otimistas. Segundo Gildásio a expectativa para o jogo é enorme. O que ele mais quer - além de comemorar, é claro -, é devolver toda provocação que já ouviu dos torcedores rubro-negro. “Chegar na cara desses flamenguistas que pirraçam tanto a gente só porque não temos mundial”, brincou, ressaltando que o Palmeiras pode não ter mundial, mas é o clube mais vitorioso do brasileiro – se ganhar a Libertadores, o alviverde chegará ao seu 49º título. 

É do jogo  

A relação de pirraça entre Tânia e Gildásio não se limita a semana pré-Libertadores. “Quando o Palmeiras perde, eu perturbo. Fico brincando que o Flamengo nunca caiu, então eu já estou em outro patamar”, disse Tânia. “Quem perde, fica calado. Quem ganha, fica na pirraça. A gente corre para botar a bandeira do time na porta de casa”, contou Gildásio. 

No jogo em que o Flamengo foi eliminado pelo Athlético Paraneanse da Copa do Brasil após perder de 3x0, Tânia teve que ouvir calada toda a provocação do marido. “Eu fui deitar e ele foi pro quarto filmar minha reação”, relembrou.  

Mas claro, a máxima entre os dois é respeito e amor. “A gente leva na brincadeira, fazer parte jogo perder”, concluiu a flamenguista.