Copa 2018

Especialistas de países fora da Copa apontam a Alemanha como favorita

Representantes de Moçambique, Jamaica, Filipinas, Síria e Bósnia dão seus palpites

Eduardo Zobaran, da Agência O Globo

Os brasileiros restabeleceram a confiança na seleção, mas nem todo o mundo pensa o mesmo. Nesta terça-feira, durante o torneio Futebol pela Amizade, no complexo esportivo do Lokomotiv Moscou, o GLOBO ouviu cinco treinadores e jornalistas de países que não estão na Copa. Há quem confie na equipe de Tite, mas a Alemanha, ao que tudo indica, ainda é a favorita - embora Neymar seja lembrado quando se fala em quem será o craque do torneio. Eles falam ainda sobre o desafio de suas seleções para participar desta festa.

Daniel Cuta, treinador de jovens de até 18 anos em Moçambique

"Julgo que tem equipes favoritas. O Brasil é um deles, mas não falo por você ser brasileiro. Falo também da Alemanha e Espanha. Muitas vezes os craques, como Cristiano Ronaldo e Messi, não demonstram a mesma qualidade no Mundial. Pode aparecer uma surpresa, como o Salah. Os melhores vão sair dos times que avançarem. Em Moçambique Cristiano e Messi são os mais queridos, mas o Neymar, Salah e Dembelé também. Olhamos muito para Brasil e Portugal. Para a nossa seleção chegar num Mundial falta muito. A organização não é forte. A formação não tem apoio. Faltam bolas e é impossível ter uma base sem material"


Moya Hinds, repórter do jornal The Jamaica Observer, da Jamaica

"Eu vou tenho que torcer pela Inglaterra só por causa de um jogador: Sterling (que é nascido na Jamaica). Eles têm um time forte. Não sei se vão ganhar, mas, pelo menos, ficam entre os cinco melhores. Sterling é um grande astro no país. Os jamaicanos torcem para a Alemanha e, acredite ou não, ainda torcem para o Brasil. A gente não abandonou a seleção brasileira. A Argentina, por causa do Messi, também tem muita torcida. Para a Jamaica voltar a uma Copa do Mundo vai depender de muito trabalho, mas não vou dizer que é impossível."

Joannes Paulus Reyes, treinador de divisões de base nas Filipinas

"O meu favorito é o Brasil, é claro, mas eu sinto pelo Messi. O time brasileiro é mais forte do que a Argentina, que precisa muito do Messi. Acho que o craque vai ser o Neymar, mas é muito difícil fazer essa aposta. As seleções favoritas dos filipinos são três: Brasil, Argentina e Alemanha. Eu estou muito feliz que essa Copa do Mundo vai impulsionar as pessoas a assistirem futebol nas Filipinas, onde o basquete é o esporte número um. Definitivamente, temos um longo caminho para conseguir um lugar na Copa. Acho que tem que começar pela base, pela garotada. É um processo longo. Precisamos melhorar nossa estrutura e nossa liga."

Mazen Alhindi, repórter do jornal Al-Akhbar, da Síria

"O meu time favorito é a Itália, mas infelizmente ela não vai estar. Copa do Mundo ruim! Acho que três times vão para as semifinais: Espanha, Alemanha e Bélgica. Argentina ou Brasil não vão ganhar um Mundial na Europa. Desculpa, mas eu não gosto do time do Brasil. Gosto de muita gente do Brasil, mas não o time. A Síria quase foi para a Copa do Mundo, foi por pouco. Da próxima vez, quem sabe. E eu sei que tem muitos sírios indo para o Brasil e acho que muitos que hoje são crianças vão acabar jogando por lá."

Muamer Tanovic, repórter do jornal Dnevni Avaz, da Bósnia e Hezergovina

"O favorito é a Alemanha, sempre. Eu não torço por eles, mas são os favoritos. Mas acho que o Neymar vai ser o melhor jogador da Copa. Quanto à torcida, o nosso país tem particularidades. Alguns irão torcer por Sérvia e Croácia, mas outros preferem a Alemanha, nós fazemos tudo como os alemães. As pessoas também se interessam pelo Brasil. São esses os favoritos dos bósnios. O país ficou muito decepcionado por não ir novamente ao Mundial, somos uma nação que sempre quer mais. Acontece que a seleção nacional passa por um processo de renovação.