Esportes

Gabriel Medina critica COB após Yasmin Brunet ter credencial à Olimpíada negada

Segundo o surfista, a entidade está "dificultando" a presença da modelo

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)

Gabriel Medina, bicampeão mundial de surfe, criticou o Comitê Olímpico do Brasil (COB) por negar uma credencial para sua esposa, Yasmin Brunet, nos Jogos Olímpicos de Tóqui, em julho. Segundo o surfista, a entidade está "dificultando" a presença da modelo.

"Questionei o COB se posso levar a Yasmin, eles falaram que ela não tem nada a ver com o surfe, que ela não poderia ajudar a delegação. Mas e o marido da Tati (Tatiana Weston-Webb)? Ele surfa, participou do Circuito Mundial. Estou só questionando por que eu não posso levar. São as pessoas que me ajudam. Não é porque é melhor, é porque são pessoas que estão no meu dia a dia. Acho certo eles levarem o time deles, só que eu não sei qual a dificuldade de eu levar o meu time. Eu vou ter que viajar sozinho? Por que só comigo, sabe?", questinou em entrevista à CNN Brasil.

Medina argumenta que os atletas foram autorizados a levarem dois membros da comissão técnica aos Jogos. A questão, no entanto, é que Yasmin não tem qualquer ligação com o surfe.

"A gente pode levar para o Japão duas pessoas dentro da comissão, e cada atleta está levando o seu pessoal. O Ítalo (Ferreira) está levando um amigo que o ajuda, e comigo estão dificultando. Minha vida mudou, eu tinha outro coaching, outra estrutura, duas pessoas que não trabalham mais comigo, e não me deram a confirmação se vou poder levar meu atual coaching", completou o surfista.

Ao site da revista Istoé, o COB nformou que “há uma limitação de credenciais para as delegações, e a política do COB é de que os oficiais tenham funções estritamente técnicas”. A entidade explicou que, “em virtude desta limitação, cada atleta do surfe terá acompanhamento de um profissional da área técnica com experiência comprovada”.