Esportes

Guto critica jogadores do Vitória: 'Eles se desequilibraram'

Para o treinador do Bahia, atletas do Leão não deveriam ter ido tirar satisfação com Vinícius

Gabriel Rodrigues, do Correio 24h
- Atualizada em

As críticas ao final do primeiro clássico Ba-Vi do ano foram inúmeras. Para o técnico Guto Ferreira, do Bahia, a confusão no Barradão, domingo (18), foi motivada pelo desequilíbrio emocional dos jogadores do Vitória. Segundo ele, Vinícius errou na comemoração, mas o ato não justificaria as atitudes que ocorreram na sequência.

Guto Ferreira elogiou atuação do tricolor até o empate (Foto: Felipe Oliveira/EC Bahia)

“Um erro não justifica o outro. Ele pode ter se passado, mas caberia à arbitragem, a vocês da imprensa, tecer qualquer tipo de crítica e análise após a partida, e não a satisfação da maneira que foi por parte dos jogadores. Até porque ele não ofendeu nenhum jogador, ele comemorou simplesmente, assim como eles comemoraram com dancinha. Então nós não podemos mais comemorar”, disse Guto.

Ele continuou: “Existe alguém responsável dentro do campo para tomar as medidas cabíveis. Eles se desequilibraram, em defesa nós também nos desequilibramos na sequência e quem saiu mais prejudicado fomos nós, que perdemos quatro jogadores, dois do banco e dois do campo”, afirmou.

Sobre o time em campo, o técnico comemorou a atuação até antes da confusão e afirmou que o tricolor tem evoluído aos poucos e já deve mostrar melhor desempenho nas próximas rodadas.

“Nosso time começou a partida bem. Depois aconteceram alguns lances em que o time acabou se desequilibrando, perdemos o foco e tomamos o gol. No intervalo, chamamos a atenção e conseguimos de imediato o pênalti. O que aconteceu após isso foi outro jogo. A situação importante da partida é que conseguimos equilibrar um clássico onde estávamos em inferioridade”, afirmou.

O próximo compromisso do Bahia será na quinta-feira (22), quando recebe o Náutico, na Fonte Nova, pela Copa do Nordeste. No Baianão, o tricolor recebe o Atlântico, domingo (25), também na Fonte Nova.