Mais Esportes

Hamilton vence GP do Azerbaijão, marcado pela emoção até o fim

Primeira vitória no ano deu ao piloto inglês a liderança do campeonato

Agência O Globo

Na reta final do GP do Azerbaijão, Lewis Hamilton ocupava a terceira posição e parecia distante de conseguir sua primeira vitória no ano. Foi aí que tudo aconteceu. Primeiro, o francês Romain Grosjean, da Haas, que era sexto colocado, bateu sozinho enquanto aquecia os pneus. A entrada do safety car mudou a história da corrida, jogando o primeiro lugar e a liderança do campeonato no colo do inglês.

Logo depois da relargada, a seis voltas do fim, o alemão Sebastian Vettel, da Ferrari, tentou ultrapassar o finlandês Valtteri Bottas, companheiro de Hamilton na Mercedes, e acabou errando a freada. A manobra custou caro, e Vettel fechou o GP apenas em sexto, depois de ser superado pelo mexicano Sergio Perez, que buscou um improvável pódio para a Force India.

A prova, porém, ainda guardava uma última surpresa. Enquanto caminhava para a vitória, Bottas passou sobre um detrito e viu um de seus pneus estourar, abandonando a disputa. A primeira posição caiu, então, nas mãos de Hamilton. O finlandês Kimmi Raikonnen, da Ferrari, foi o segundo, seguido de Perez.

Se a Force India festejou muito o pódio, o mesmo se pode dizer da Sauber. Nascido em Monte Carlo, o jovem Charles Leclerc, de apenas 20 anos, pontuou pela primeira vez na Fórmula-1 com um honroso sexto lugar. De quebra, a promessa do automobolismo foi escolhido o "piloto do dia". Outro jovem, o espanhol Carlos Sainz Junior, da Renault, de 23 anos, foi o quinto.

A bobagem de Grosjean e o abandono de Bottas não foram os únicos momentos inesperados da corrida. Colegas de Red Bull Racing, o holandês Max Verstappen e o australiano Daniel Ricciardo colidiram enquanto disputavam a quarta colocação. Ambos abandonaram.

Com quatro GPs disputados na temporada, Hamilton é o novo líder no Mundial de Pilotos, com 70 pontos. Na sequência, vêm Vettel, com 66; Raikkonen, com 48; Bottas, com 40; Ricciardo, com 37; e o espanhol Fernando Alonso, da McLaren-Honda, com 28.

Já no Mundial por equipes, a Ferrari manteve a liderança, com 114 pontos. A Mercedes, contudo, vem na cola, com 110. Bem atrás, em terceiro, está a Red Bull Racing, com 55 pontos.