Futebol

Relembre cinco situações polêmicas do técnico Mano Menezes

Mano Menezes, de 58 anos, começou sua carreira como educador físico e teve sua estreia como técnico no Guarani, em 2003

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)
- Atualizada em

A história de Luiz Antônio Venker Menezes, mais conhecido como Mano Menezes, no futebol ganhou mais um capítulo. O treinador foi demitido do Bahia neste domingo (20) e também esteve envolvido na polêmica da partida do tricolor contra o Flamengo: a injúria racial que o meia Gérson afirma ter sofrido. Essa não é a primeira vez que Mano se envolve em situações complicadas. 

Mano Menezes, de 58 anos, começou sua carreira como educador físico e teve sua estreia como técnico no Guarani, em 2003. De lá para cá, o treinador já comandou Grêmio, Corinthians, Flamengo, Cruzeiro e Palmeiras. Além disso, ele também chegou a ser convocado para o cargo de técnico da Seleção Brasileira em 2010 e ficou no posto até 2012. 

A chegada dele no Esporte Clube Bahia foi feita em setembro deste ano e a previsão era que ele ficasse até o final da temporada de 2021. Mano Menezes dirigiu o Bahia em 24 partidas, oito triunfos, dois empates e 14 derrotas. 

Foto: reprodução / Instagram

Em sua carreira, Mano Menezes ganhou a fama de ser "reclamão" e tem uma vasta experiência com punições. Relembre algumas delas: 

1- Time entrando em campo sem técnico e sem auxiliar: em 2016, enquanto liderava o Cruzeiro, Mano Menezes e o auxiliar Sidnei foram suspensos por dois jogos pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) por insultar o árbitro Rafael Traci, do Paraná, na partida contra o Botafogo. 

De acordo com a súmula do árbitro, Mano teria dito, nos corredores do vestiário, ao árbitro: "Vai ver o impedimento que o seu bandeira deu no final e na falta que você marcou no segundo gol, seu sem vergonha". Já o auxiliar deixou o campo dizendo: "Ele é muito fraco, é muito burro. Eu sou do Paraná, eu conheço ele, arbitragem muito fraca". Ambos foram enquadrados no artigo 258 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva por "desrespeitar os membros da equipe de arbitragem ou reclamar desrespeitosamente contra as suas decisões".

2- Paciência zero: Mano Menezes ficou revoltado com a arbitragem da partida entre Cruzeiro e Internacional, em 2016. O treinador não gostou nenhum pouco do o árbitro Marcelo Aparecido de Souza não ter marcado pênalti em um lance no qual a bola acertou o rosto de Alex. Mano acreditava que o lance mereceria penalidade máxima. Após ser expulso e rever o lance, ele pediu desculpas para Marcelo. 

3- Expulsão e proibição de dar entrevistas: no jogo do Cruzeiro contra Huracán, em 2019, Mano Menezes foi expulso nos minutos finais da partida e foi impossibilitado de falar com a imprensa. O árbitro Diego Haro deu cartão vermelho para o técnico após atitudes consideradas inadequadas enquanto ele estava no banco de reservas. 

4- Xingamento: após a derrota do Bahia para o Fluminense, em outubro deste ano, Mano Menezes perdeu a paciência com o árbitro José Mendonça da Silva Júnior. "Aproveita bem o jogo aí porque você não apita mais", ameaçou o treinador. "Deixa esse vagabundo aí, não reclama com esse vagabundo não, deixa ele roubar, esse não apita mais", disse aos seus jogadores enquanto os tirava da roda de reclamação que se formou em volta do árbitro após o pênalti marcado pelo VAR. 

5- Bate-boca à beira do campo: no jogo Goiás e Bahia, em outubro deste ano, Mano Menezes discutiu feio com o técnico Enderson Moreira à beira do gramado. Tudo começou porque Mano deu a entender que o Goiás foi beneficiado pela arbitragem e Enderson não gostou da afirmação. "Eu passei e ele virou pra mim: "Jogaste com 12 hoje, hein professor"? Achei uma falta de respeito tremenda. Não dou essa liberdade a ele", relatou Enderson ao Globo Esporte.