Copa 2018

Rojões da Copa: como proteger o seu pet nos jogos da seleção

Os sons altos dos fogos estimulam o sistema nervoso causando ansiedade e medo

Bárbara Nóbrega, de Agência O Globo

A Copa do Mundo é, naturalmente, um momento divertido para a legião de torcedores que fica vidrada nos jogos. É uma pena que, para os animais domésticos, principalmente os cães, o momento de exaltação coletiva não significa algo tão agradável assim: a não ser que sejam treinados, a reação natural dos cachorros é de se assustar e até mesmo fugir. Qual é a melhor forma de proteger os “melhores amigos do homem” nesses momentos?

A audição dos cães detecta sons de frequências menores e maiores do que as dos seres humanos — o intervalo de frequência do homem vai de 16 a 20.000 Hertz, enquanto o deles é de 10 a 40.000 Hertz. Isso os faz captar sons inaudíveis para os seres humanos. No entanto, essa característica não os torna mais sensíveis às explosões dos fogos de artifício e diversificadas sinfonias que compõem a comemoração dos torcedores.

De acordo com Alexandre Rossi, zootecnista e fundador da Cão Cidadão, empresa especializada em adestramento e comportamento animal, não é a capacidade auditiva fantástica dos cães e animais em geral que os faz ter reações de medo, mas sim a sua interpretação de que barulhos altos significam perigo.

— O que gera as reações de medo é o fato de que barulhos altos, para os cães e animais em geral, significam perigo. A dica é mostrar a eles que está tudo bem. A sensibilidade auditiva não precisa ser trabalhada, o que precisa ser trabalhado com a dessensibilização é o medo que sons altos pode ocasionar. Como prevenção (para filhotes ou cães que não têm medo), vale ficar de olho e, sempre que ocorrerem os barulhos mais fortes, o cão deve ser recompensado com algo que gosta muito — explicou o especialista em comportamento animal.

Em Indianópolis, São Paulo, a DogResort é uma creche para cães que oferece iniciativas para trabalhar a sensibilidade auditiva desses animais de estimação. Em períodos como a Copa do Mundo, há uma maior atenção com medidas de prevenção para que os cachorros não se incomodem tanto com o barulho, e saibam reagir melhor aos sons.

— Quando os cães treinam e gastam energia, eles acabam reagindo menos aos barulhos. Cada cachorro tem um nível de medo, e mesmo após as intervenções ainda restam traumas algumas vezes. Cães que foram abandonados têm mais medo por, muitas vezes, terem passado por situações de trauma. Aqui nós os fazemos gastar energia, fazemos festa, batemos palma, para tirar o foco do que gerou a situação de trauma. Podemos também deixá-los em salas onde há risco zero, onde ouvem música. No último jogo do Brasil, que foi às 9h, os cachorros chegaram aqui cedo e brincaram muito. Tiveram fogos e eles nem perceberam. Tem que se tirar o foco para algo positivo — afirma Thiago Young, que há cinco anos gerencia a DogResort.

O que fazer para proteger o seu pet nos jogos da seleção?

Segundo Denise S. Schwartz, professora da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP, especialista em Cardiologia e Medicina Interna, o barulho de fogos de artificio os assustam muito, porque não entendem o que está acontecendo — principalmente sons de de alta intensidade e volume. Alguns animais podem até apresentar convulsões, caso tenham epilepsia.

Os sons altos dos fogos ( e também de trovões), estimulam o sistema nervoso causando ansiedade e medo. Cabe lembrar que não é só o som dos fogos que assustam cães e gatos. A gritaria repentina quando o time marca um gol também pode assustá-los.

- Exercício físico: o gasto de energia diminui a ansiedade nos cães, fazendo-os reagir menos aos barulhos

- Companhia: deixá-los na presença de alguém da família, os conhecidos com quem eles estejam acostumados, demonstrar calma, fazer carinho para que eles associem o barulho a momentos bons.

- Proteção: para aqueles que têm muito medo, mantê-los em local mais protegido do barulho pode ajudar. Apesar de algumas pessoas recomendarem colocar algodão nos ouvidos, nem sempre pode ajudar.

- Medicamento: em alguns casos, pode ser necessário administrar algum medicamento que reduza a ansiedade, ou cause sonolência. Caso isto seja necessário, um veterinário deve ser consultado para que possa recomendar a medicação mais apropriada para o caso.