"São três meses de abstinência total", diz Spider sobre sexo em época de preparação para confronto

Ele participa do programa Altas Horas, que vai ao ar neste sábado

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)

O lutador Anderson Silva estará no 'Altas Horas', que vai ao ar neste sábado (22). Durante a gravação do programa na última quinta-feira (20), o atleta revelou um detalhe sobre sua intimidade: ele contou que fica bastante tempo sem fazer sexo em época de preparação para um confronto. “São três meses de abstinência total, mas depois eu volto para casa”, disse.


Ele também falou sobre a recuperação da fratura na perna esquerda, sofrida em uma luta contra Chris Weidman, em dezembro. "Acho que ainda estou 9% recuperado, parece mais, mas não está tudo isso ainda, não. As dores acabaram, só sinto um pouco de dor de joelho”, disse Spider. Segundo ele, a dor é somente um detalhe, porém a recuperação depende de diversos outros fatores. 


O lutador de MMA disse que nunca pensou em largar a sua carreira e brincou que ainda não está preparado para chutar com a perna esquerda.  “Na dúvida, agora eu só vou chutar da cintura para cima”, afirmou.


Anderson também falou sobre se sonha com uma revanche contra Weidman. "Não estou pensando nisso agora. Tenho que me recuperar, ficar 100% e voltar a lutar. Acho que se eu conseguir os resultados que me deem condições de voltar a disputar o cinturão, é claro que eu vou lutar", garantiu.


Aposta em Belfort

Na gravação, o atleta surpreendeu ao dizer que apostava em Vitor Belfort na disputa que aconteceria entre o brasileiro e Weidman. "Acho que tem outras pessoas que estão se destacando na minha categoria, que podem vir a disputar o Cinturão. Uma pena o Vitor não poder lutar, tenho a plena certeza de que ele venceria", disse. 


Belfort desistiu de disputar o cinturão dos pesos-médios do UFC contra Chris Weidman após decisão da Comissão Atlética de Nevada de banir o TRT (Tratamento para Reposição de Testosterona) em todos os esportes de luta no estado americano.


Apesar de apoiar a decisão da Comissão Atlética de Nevada, ele defendeu Belfort. “No caso do Vitor, ele foi prejudicado, porque eles aprovaram e depois do nada falaram que não podia, mas acho que esse é o caminho para que você tenha um esporte mais justo”, disse.


*Com informações do site oficial do 'Altas Horas'