Futebol

Seleção termina 2017 com o melhor desempenho defensivo de sua história

Um levantamento da CBF mostra que a seleção superou uma marca que se estendia desde 1974

Agência O Globo

A evolução da seleção brasileira na Era Tite vai muito além da classificação antecipada para a Copa da Rússia, com sobras nas eliminatórias da América do Sul. Prova disso é que, sob o comando do treinador, a equipe termina 2017 com o melhor desempenho defensivo de sua história. Com apenas quatro gols sofridos em 11 jogos, a verde e amarela fecha o ano com média de 0,36 gol sofrido por partida.

Foto: Divulgação / CBF

Um levantamento da CBF mostra que a seleção superou uma marca que se estendia desde 1974, quando seis gols levados em 16 confrontos renderam uma média de 0,37 por partida. Também se destacam na lista os anos de 1977 e 2006, ambos com 0,38 de média.
O técnico Tite comemora o desempenho de sua equipe e trata de explicar que, para alcançar o resultado obtido, é necessário um esforço coletivo, não apenas dos quatro defensores:
"É um número interessante, mas é importante ressaltar: construímos esta solidez defensiva através de um sistema que começa no nosso primeiro atacante. A busca incessante pela retomada da posse de bola ainda nos ajuda a propor o jogo da maneira que queremos".
Foram levados em conta no levantamento os anos em que o Brasil disputou ao menos quatro duelos. Por isso, várias temporadas da primeira metade do século XX foram desconsideradas. Também não entraram os anos de 1964 e 1984, quando a seleção disputou apenas três partidas.