Futebol

Superliga Europeia: o que é, quais são os times envolvidos e porque está gerando polêmica

Criação da Superliga Europeia envolveu meses de negociações secretas e já ameaça a UEFA Champions League

Redação iBahia

Se você acompanha o noticiário esportivo, certamente se deparou neste domingo (18) com inúmeros comentários sobre a Superliga Europeia. A oficialização da liga promete movimentar o mundo do futebol. Mas por que? O que é, afinal, essa nova competição e porque antes mesmo de começar, já está criando tanta polêmica?

A criação da Superliga Europeia envolveu meses de negociações secretas e já ameaça a UEFA Champions League, atualmente o maior torneio continental do mundo. 

O que é
A Superliga Europeia será um torneio com 15 times fundadores e com vaga garantida em todas as competições. A ideia é que o torneio tenha 20 equipes, sendo apenas cinco classificadas por rendimento.

Os times envolvidos na criação da liga - 12 ao total - são os mais ricos do mundo. Gigantes europeus como Real Madrid e Barcelona, além do 'big six' inglês - os seis maiores da Inglaterra - e os mais importantes da Itália.

Confira a lista:

Milan
Arsenal
Atlético de Madrid
Chelsea
Barcelona
Inter Milão
Juventus
Liverpool
Manchester City
Manchester United
Real Madrid
Tottenham


Dos maiores clubes do mundo, só ficaram de fora os alemães - Bayern de Munique e Borussia Dortmund - e o PSG, da França. 

No formato proposto pelos fundadores, os jogos serão disputados durante o meio de semana e todos os clubes continuarão a competir nos respectivos campeonatos, preservando assim o calendário tradicional. 

Os clubes serão divididos em dois grupos de 10, onde disputarão jogos de ida e volta. os três primeiros de cada grupo classificam-se automaticamente para as quartas de final. As equipes que terminarem na quarta e quinta posição disputarão um playoff (ida e volta). Em seguida, serão feitas eliminatórias em dois jogos a partir das quartas de final até à final, que será um jogo único, em final de maio, em campo neutro.

Polêmicas
A criação da Superliga foi alvo de críticas de vários lados. A UEFA, entidade de organiza o futebol europeu, garantiu que os clubes que disputarem o torneio serão banidos das competições organizadas por ela - incluindo os campeonatos nacionais. 

"Os clubes fundadores esperam manter-se em conversações com a FIFA e a UEFA de forma a encontrar as melhores soluções para a Superliga e para o futebol mundial em geral. A criação da nova Liga acontece num cenário em que a pandemia acelerou a instabilidade do atual modelo económico do futebol europeu. Durante anos, os clubes fundadores tiveram como objetivo melhor a qualidade e intensidade das provas europeias e, em particular, criar um torneio em que os melhores clubes e jogadores pudessem competir entre eles de forma mais frequente", diz o comunicado emitido pela UEFA.

Além disso, torcedores dos próprios clubes europeus fundadores se mostraram contra o novo torneio, como os do Liverpool. 

Os torcedores chegaram a levantar a hashtag  #SayNoToSuperLeague (Diga não a superliga, em tradução livre), que ganhou primeiras posições no Twitter.

Muitos dos que são contra argumentam que esse novo modelo privilegiará apenas os clubes ricos. Isso porque, enquanto na Liga dos Campões a classificação acontece via desempenho no campeonato nacional, na Superliga os maiores clubes teriam vaga garantida sempre, independentemente do que acontecesse no campo.

Por conta desses critérios de classificação, grandes clubes europeus já ficaram de fora da Champions. Nesta temporada, por exemplo, Tottenham e Milan não conseguiram a vaga para o torneio.