Futebol

Tite chama a responsabilidade depois de empate com a Venezuela

Técnico admite desempenho ruim do setor ofensivo do Brasil e afirma: 'Vai melhorar, pode me cobrar'

Agência O Globo
- Atualizada em

O empate em 0 a 0 com a Venezuela obrigou o técnico Tite a admitir que o setor ofensivo da seleção brasileira precisa melhorar na Copa América. O treinador reclamou da falta de criatividade da equipe e das finalizações erradas. Com um discurso de que o Brasil precisa jogar bem, além de ter resultados, tentou chamar para si a responsabilidade pelo futebol pobre no ataque apresentado na Fonte Nova.

Foto: Lucas Figueiredo / CBF
Ele reconheceu que Philippe Coutinho ficou abaixo do esperado em Salvador. O meia, agora exercendo uma nova função na seleção, mais centralizado e próximo do ataque, não conseguiu escapar da marcação venezuelana.

"O Couto foi  bem marcado. Ele ficou entre os zagueiros e não conseguiu jogar. Ele precisa melhorar naquela posição ali com o Firmino, ambos estão atuando mais centralizados. Haverá uma evolução entre eles, pode me cobrar depois"

As vaias foram consideradas normais por ele, uma vez que o gol não saiu na Fonte Nova. Depois da segunda partida seguida em que Everton entrou bem e conseguiu ser mais decisivo que David Neres, ele afirmou que a disputa entre os dois está aberta. Mas não sinalizou de que possa mexer na escalação.

Durante a coletiva, se defendeu das perguntas sobre seus critérios na hora de fazer as trocas e sobre a opção por colocar Gabriel Jesus atuando aberto pela esquerda. Segundo ele, as mexidas que tem feito são todas treinadas durante a semana e que somente assim se sente confiante para fazê-las.

Tite defendeu a tese de que sua equipe ainda está em construção e que deve crescer de desempenho durante a competição. Questionado se estava satisfeito com o nível de atuação, voltou a bater na tecla de que a seleção brasileira tem condição de mostrar bom futebol aliado a resultados.

"Não vou fugir da responsabilidade, a seleção brasileira tem de jogar bem. Vamos melhorar ofensivamente, pode ter certeza. A cobrança tem que existir por isso"