Futebol

Torcedora do Flamengo tatua ônibus que a levou para a final da Libertadores

Luiana foi uma das dezenas de torcedores que viajaram com a Buser do Rio para Lima

Agência O Globo

A viagem dos torcedores do Flamengo que foram de ônibus até Lima, no Peru, para assistir ao título da Libertadores, está marcada na memória. Mas, para uma em especial, também ficou na pele. Cumprindo promessa feita antes da decisão, Luiana Fernandes, de 23 anos, saiu do padrão comum de tatuagens e decidiu registrar o veículo que a levou para acompanhar o bicampeonato rubro-negro.

Foto:Divulgação

" A viagem foi muito especial para mim, foi a maior experiência da minha vida. Queria registrar na pele a lembrança de algo perfeito, que apesar de toda distância e de tudo que passamos para chegar em Lima, saímos com o resultado que tanto queríamos ", conta a torcedora.

Luiana foi uma das dezenas de torcedores que viajaram com a Buser do Rio para Lima, no último dia 23 de novembro. Ela percorreu 11.213 km de estradas sul-americanas, somando 11 dias de viagem em ida e volta. A ideia da tatuagem incomum surgiu dentro do ônibus, onde decidiu passar para a pele um desenho recheado de significados.

"Primeiro, a data da final. Segundo, a quilometragem que percorremos. O ônibus representa como fomos e as frases são a torcida do Flamengo. Fui sorteada pela Buser para algo que nao teria condições de executar. Agora eternizo como forma de agradecimenro pela melhor viagem da minha vida", completa.

O desenho escolhido pela rubro-negra foi o ônibus utilizado pelo Flamengo nos deslocamentos em jogos no Maracanã com a inscrição "jogaremos juntos". Acima do veículo está a data da decisão da Libertadores, seguida da quilometragem final. Abaixo, a frase "até o fim" completa o desenho tingido nas cores preta e vermelha.

A tatuagem foi feita na última sexta-feira, em um estúdio na Rua Conde de Bonfim, na Tijuca, Zona Norte do Rio, um dia após Luiana retornar da viagem. O tatuador Yuri Andrade, 25, levou cerca de quatro horas para completar o desenho considerado por ele como um dos mais inesperados em seus quatro anos de carreira.

"Fiquei bem surpreso porque não sabia como seria esse desenho. Depois fomos conversando e achamos o ideal. Nunca tatuei um ônibus em alguém, muito menos um do Flamengo", brincou o tatuador carioca, que abrirá um novo estúdio na Freguesia, Zona Oeste, nas próximas semanas.

A história de Luiana ficou conhecida através da série de reportagens que acompanhou a viagem dos passageiros até Lima. Ela embarcou com apenas R$ 200 reais para 11 dias na estrada, contrariou a expectativa da sua chefe e agora corre o risco de perder o emprego.

"Combinei com meus chefes que chegaria na terça feira, mas descobri que só chegaríamos na quinta. Agora nem sei se terei mais o emprego. Caso eu nao consiga manter, voltarei para Aracaju, onde morava com minha mae, a pessoa que mais me apoiou nessa viagem", conta a garçonete que trabalha em Macaé, no Rio, mas deve voltar a morar com a mãe em Aracaju, no Sergipe, caso não consiga manter o emprego.