Vitória: treino na piscina não tem relação com má condição física


Em vez de bola no pé, os jogadores do Vitória tiraram a tarde de terça-feira para relaxar a musculatura na piscina. Hidroginástica programada três dias depois de o Vitória ter perdido Neto Baiano e Marquinhos por cansaço durante a derrota de 4×3 para o Goiás, no sábado, no Serra Dourada, em Goiânia. Segundo o departamento fisíco do Vitória, a atividade não tem relação com o ocorrido no fim de semana de uma virada que ainda rende.

“Marquinhos pediu para sair com mal-estar e Neto Baiano sentiu a perna pesada. São vários fatores que explicam isso e um deles é o clima seco de Goiânia. Foi a primeira vez desde que voltei que os jogadores reclamaram de cansaço”, explica o preparador físico Ednílson Sena, demitido em dezembro do ano passado e recontratado nas finais do Campeonato Baiano.

Segundo o departamento fisíco do Vitória, a atividade não tem relação com o ocorrido no fim de semana

Antes do duelo com o Goiás, o Vitória teve dez dias de preparação, quando foi intensificada a parte física, e jogadores como Douglas e Rodrigo acabaram vetados por estarem acima do peso. O mesmo acontece com Neto Baiano, mas Carpegiani afirmou que iria levá-lo por conta de sua importância. O atacante, inclusive, trabalhou à parte na terça, na Toca.

Os demais que foram à piscina, tiveram como finalidade a recuperação do treino pela manhã, feito na praia. “Nós fizemos um trabalho de força na praia, onde tem a resistência da areia. Isso faz com que o jogador tenha um desgaste maior, e você usa fibras que não utiliza no dia-a-dia”, explicou Ednílson Sena. Sábado, o Vitória precisa de gás pra vencer o Avaí, no Barradão.

Leia mais notícias do Vitória