Notícias

Aulas pela TV e acesso à internet para rede municipal de ensino de Salvador iniciam dia 30

Prefeitura vai entregar chip com pacote de dados móveis a estudantes e oferecer plataforma de leitura e apoio psicológico

Da Redação (falabahia@redebahia.com.br)

Foto : Secom PMS

Os estudantes do Ensino Fundamental II, da rede municipal de ensino de Salvador, e alunos da Educação de Jovens e Adultos (EJA) contarão com conteúdo pedagógico em dois canais de TV aberta, a partir do dia 30 de junho. O anúncio foi feito pelo prefeito ACM Neto (DEM) durante transmissão de coletiva virtual, na manhã desta segunda-feira (22) como uma das medidas de para o combate à pandemia da Covid-19.

De acordo com o gestor municipal, serão dois canais na TV aberta: 4.2 (destinado aos alunos do 6º e 7º anos) e 4.3 (8º e 9º anos). “Escolhemos os canais, a partir de licitação pública, para que houvesse o mais amplo acesso. O objetivo é recuperar parte deste tempo perdido e dar condições para que os alunos voltem mais aquecidos”, afirmou o prefeito.

Os estudantes também serão beneficiados com o fornecimento de banda larga para fortalecer o acesso às aulas que vêm ocorrendo através de plataforma virtual, em uma parceria com a Escola Mais – instituição de São Paulo que é referência em ensino digital para o segmento. Uma empresa de telefonia está sendo contratada via licitação para o fornecimento de serviço de internet de 33 mil chips 4G/3G para acesso à internet, cujo uso será restrito ao conteúdo constante de um aplicativo desenvolvido pela equipe do Núcleo de Tecnologia da Informação (NTI/Smed).

Os gestores (diretores e coordenadores das escolas) receberão tablets e chips para operacionalizar o projeto Escola Mais Digital, com vasto conteúdo de literatura. Ainda segundo o prefeito ACM Neto, um acervo com mais de 30 mil títulos de livros será disponibilizado por meio da plataforma digital Árvore de Livros.   

A Prefeitura, através da Smed, também estabelecerá parcerias com universidades para a efetivação de ações multidisciplinares durante e pós-pandemia, que envolverão pedagogos, psicólogos, assistentes sociais, entre outros profissionais. A ideia é implementar ações de apoio e orientação multidisciplinar para acolhimento socioemocional da comunidade escolar: alunos, familiares, professores, coordenadores e funcionários.

Para isso, serão implantados serviços de acolhimento em 23 espaços distribuídos nas dez gerências regionais de Educação. As atividades, a serem realizadas nas áreas de psicologia, pedagogia e serviço social, vão envolver 30 profissionais e 500 estagiários, beneficiando 143 mil alunos e familiares, além dos 12 mil profissionais da educação.