Festival da Virada

Festival Virada Salvador terá ações de combate ao trabalho infantil

Uma equipe com 104 profissionais realizará, durante todos os dias do evento, a busca ativa e monitoramento de situações de violações de direitos infanto-juvenis

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)

As ações de combate ao trabalho infantil estarão presentes no Festival Virada Salvador, que começa neste sábado (28) e prossegue até o próximo dia 1° na Arena Daniela Mercury, na Boca do Rio. Promovida pela Secretaria de Promoção Social e Combate à Pobreza (Sempre), as atividades já foram iniciadas com a capacitação de ambulantes que vão trabalhar no evento no intuito de sensibilizar e alertar sobre a importância do combate à exploração da mão de obra infantil.

Uma equipe com 104 técnicos e educadores sociais da Sempre realizará, durante todos os dias do evento, a busca ativa e monitoramento de situações de violações de direitos infanto-juvenis e, neste ano, também da população adulta. "Vamos trabalhar em sistema de plantão das 15h até as 3h do dia seguinte, cobrindo não só a arena como todo o entorno", explica a secretária da Sempre, Ana Paula Matos.
Foto: Divulgação/Secom
No Festival Virada Salvador, caso os profissionais identifiquem no território alguma situação de trabalho infantil e outras violações de direitos, farão encaminhamento para uma unidade de acolhimento provisório voltada para filhos dos ambulantes. Promovida pela Secretaria Municipal de Políticas para as Mulheres, Infância e Juventude (SPMJ), a unidade está localizada na Escola Municipal Luiza Mahin, na Avenida Simon Bolívar, em Armação.


Programa
A exposição e riscos do trabalho infantil e outras violações de direitos, prática ilegal observada com mais frequência em festividades de rua de Salvador, fazem parte das ações de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil (Peti). Ainda segundo a titular da Sempre, a expectativa é de que a Prefeitura consiga evitar todas violações de direitos. “Vamos fazer com que esse festival seja um festival da alegria, da paz, da inclusão e da acessibilidade", afirma Ana Paula.