Festival da Virada

Mais de 100 crianças foram acolhidas durante Festival Virada Salvador

Acompanhamento foi feito por uma equipe multidisciplinar, composta por profissionais capacitados nas áreas de saúde, educação e assistência social

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)


Durante os cinco dias do Festival Virada Salvador, encerrado na quarta-feira (1°) na Arena Daniela Mercury, na Boca do Rio, a Prefeitura acolheu cerca de 110 crianças e jovens de 0 a 17 anos, filhos dos ambulantes e catadores de recicláveis cadastrados para a festa. Administrado pela Secretaria de Políticas para Mulheres, Infância e Juventude (SPMJ), o Centro de Acolhimento, Aprendizado e Convivência (CAAC) foi instalado na Escola Luiza Mahim, em Armação. 

O acompanhamento foi feito por uma equipe multidisciplinar, composta por profissionais capacitados nas áreas de saúde, educação e assistência social. As crianças participaram de uma extensa programação de atividades elaboradas e pensadas para promover entretenimento e aprendizagem, como jogos educacionais, karaokê, piscina de bolinhas e muitos outros. Além disso, foram oferecidas seis refeições diárias, preparadas por uma equipe nutricional. 

Fotos: Bruno Concha e Jefferson Peixoto / Secom

“Foram dias intensos em que depositamos toda atenção e cuidado com esses pequenos soteropolitanos, dando todo suporte e segurança para que seus pais pudessem trabalhar tranquilos. E o principal: com esse serviço, evitamos que essas crianças e adolescentes estejam vulneráveis ao trabalho infantil e uma série de violação de direitos”, ressaltou a secretária da SPMJ, Rogéria Santos.

Os conselheiros tutelares, também ligados à SPMJ, atuaram em esquema de plantão no período, de forma itinerante, e também no posto único, localizado no Instituto Municipal de Educação Professor José Arapiraca (Imeja), bem próximo a Arena Daniela Mercury.

Mulher – As mulheres também contaram com o Centro de Atendimento à Mulher Soteropolitana Irmã Dulce (Camsid), localizado na Ribeira, que funcionou 24 horas durante os dias da festa para atender e acolher as vítimas de violência. Além disso, a equipe da Diretoria de Políticas para Mulheres (DPM) realizou ação educativa com a campanha “Pare! Não à importunação Sexual!”. 

Foto: Bruno Concha e Jefferson Peixoto / Secom

A iniciativa envolveu distribuição de material informativo, orientação ao público sobre o tema e atendimento no Posto da Mulher, localizado no mesmo posto da Guarda Civil Municipal, dentro do local da festa. Segundo a equipe da DPM, cerca de 8,5 mil pessoas foram sensibilizadas com a campanha e  sete casos de importunação foram registrados durante o festival.