Fitness

Jejum intermitente: nutricionistas começam a questionar eficácia da estratégia

Perda de massa magra, efeito sanfona e compulsões têm sido efeitos estudados

Talita Duvanel, da Agência O Globo

No meio nutricional, costuma-se dizer que a vida útil de uma dieta gira em torno de cinco anos. Depois desse período, tal estratégia começa a ser colocada em xeque — afinal, há tempo suficiente para que estudos mostrem se ela realmente é saudável para a perda de peso.

Foto: Divulgação
Seguindo essa regra, entra agora na berlinda o jejum intermitente, conjunto de protocolos que andou fazendo o maior sucesso ao restringir a alimentação num período do dia e liberar no outro. A Associação Brasileira de Nutrição (Asbran) publicou um parecer técnico no início deste ano questionando a prática, que prega a privação de alimentos por até 24 horas. Seria o fim da modinha?

“As evidências de que o jejum intermitente seja melhor que os planos de restrição calórica ainda não são robustas”, diz a nutricionista alagoana e diretora da Asbran Ana Adélia Cavalcante Hordonho, que analisou estudos publicados sobre o tema em diversos lugares do mundo e foi a responsável por redigir o posicionamento da associação.

O fato de ficar muitas horas sem comer, realmente, faz com que o corpo comece a usar as reservas do tecido adiposo para ter energia e, consequentemente, emagreça. A questão em jogo é a qualidade dessa perda de peso, afinal, a gordura vai embora, mas, com ela, também vão-se os músculos.

“O tecido muscular é muito ativo, aumenta o gasto energético do organismo. Por isso, perder massa magra não é interessante”, pondera Ana Adélia, citando outro possível problema. “O estado de compulsão alimentar também tem sido considerado nesse tipo de dieta. No período de comer, alguns pacientes exageram por terem passado muito tempo sem se alimentar.”

No dia a dia clínico, a nutricionista carioca Carla Cotta percebe que a estratégia, além de interferir na quantidade de músculos dos pacientes, também colabora para um posterior efeito sanfona. “Dependendo de como é a alimentação após o período da dieta, a volta dos quilos pode ocorrer. E esse vai e vem é mais maléfico do que o sobrepeso em si”, diz Carla.

A advogada Paloma di Piero, de 29 anos, que foi apresentada ao jejum como estratégia para emagrecer e baixar os níveis de insulina, é uma das que se decepcionou. “Não vi diferença alguma. Conheço gente que conseguiu perder e depois manter o peso com isso, mas, em mim, não funcionou”, contou Paloma.

No entanto, apesar desses questionamentos, existe muita gente se beneficiando da prática há algum tempo. É o caso do dentista Leandro Tardin, de 40 anos, que só conseguiu reduzir os ponteiros da balança e controlar taxas de glicose e de insulina com essa modalidade. “No início, sentia fome, mas depois o corpo acostuma e consigo passar 16 horas sem comer”, diz Leandro.

Apesar das ponderações, a endocrinologista Cynthia Valério, da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), frisa que o jejum tem seu valor. Apenas é uma questão de individualidade. “Ele desmistificou a crença de comer de três em três horas”, diz Cynthia. “Somos contra banalizar a prática, mas sabemos que ela pode trazer bons resultados. Algumas pessoas se adaptam, outras não. O importante é que o paciente procure ajuda médica.”

Para que a tática tenha mais chances de dar certo, é preciso ter um cardápio bem natural nas horas em que é permitido se alimentar. “Verduras, legumes e qualquer outro alimento que não seja processado têm que estar no cardápio pós-jejum. Comer nada e depois comer de tudo pode prejudicar o metabolismo”, salienta Cynthia.