Fitness

Qual a diferença entre treino funcional e musculação?

Para facilitar o entendimento entre as duas modalidades, dois profissionais da área esclarecem as diferenças

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)

Todo mundo fala em treino funcional. Nos sites de buscas são gerados quase dois milhões de resultados sobre o assunto. As praias reúnem grupos que se dedicam à modalidade que é frisson entre aqueles que se preocupam com a saúde e a estética. Alguns dizem que ela veio para substituir a musculação. Será?

Para facilitar o entendimento entre as duas categorias fitness, dois profissionais da área esclarecem as diferenças entre as duas linhas de treino.


O treinamento funcional, por exemplo, utiliza dos próprios movimentos do corpo, aqueles naturais em que praticamente se  nasce fazendo. Como pular, correr, puxar, empurrar, rodopiar, esticar. Nessa modalidade se trabalha mais a força, o equilíbrio, resistência e agilidade. Então, os movimentos não são mecânicos e precisos como a musculação, que trabalha um músculo específico e isolado. "O funcional vai atuar sobre grupos musculares maiores, gera melhorias cardiovasculares, queima a gordura, portanto promove o emagrecimento e a definição muscular", explica o professor Willian César de Oliveira. O funcional trabalha os músculos mais profundos e utiliza acessórios como cordas, bolas, pneus, cones, varas, entre outros.


Mas ao que parece, a musculação ainda sai na frente quando o assunto é ganhar massa muscular e conquistar resultados a curto prazo. A modalidade mais antiga tem como uma de suas vantagens a hipertrofia muscular, ou seja, músculos maiores e mais perceptíveis. "Além disso, podemos com a musculação trabalhar músculos isolados e específicos, o que é mais difícil com o funcional", revela Carol Darlin Souza, instrutora de musculação.

A unanimidade, porém, é que o ideal seria realizar as duas atividades, mas para quem não pode e não quer, o importante é focar naquilo que espera de resultados para o corpo e escolher uma das duas.