Fitness

Que tal perder 520 calorias em 20 minutos? A eletroestimulação muscular é uma aliada

Tratamento ganha mais adeptos que querem poupar tempo nos treinos e ver resultados rápidos

Priscilla Aguiar Litwak, de Agência O Globo
Rainha de bateria da Viradouro desde 2014, Raíssa Machado sempre atravessa a Avenida vestindo uma fantasia de cerca de 15 quilos, em cima de um salto alto, sorriso no rosto e, claro, samba no pé. Para aguentar a maratona, ela passa por ensaios, treinos e avaliações. No último carnaval, a musa contou com uma ajudinha extra: a da eletroestimulação muscular, conhecida mundialmente pela sigla EMS.
Foto: Fábio Guimarães | Divulgação
A tecnologia alemã vem conquistando cada vez mais adeptos por aqui. Com a chegada, há uma mês, da Xbody, da TecFit, em Icaraí, agora são duas as representantes da técnica; a outra é a Miha, disponível na Active Pulse, no mesmo bairro. Ambas oferecem sessão de, no máximo, 20 minutos, o que, garantem os professores, equivale a cerca de duas horas de um treino convencional.
Durante a sessão o aluno veste uma roupa especial — oferecida gratuitamente nas próprias academias — e um colete de neoprene ligado a uma máquina que libera impulsos elétricos de alta intensidade, disparados por um equipamento regulado pelo professor.
São trabalhados cerca de 350 músculos, proporcionando gasto médio de 520 calorias . A intensidade utilizada varia de acordo com a capacidade e o objetivo de cada aluno. Durante a sessão, para potencializar os efeitos dos impulsos elétricos, são executados movimentos funcionais, como agachamentos e polichinelos.
— Quando o carnaval estava se aproximando, meu professor me fazia sambar uns cinco minutos no fim de cada sessão com a eletroestimulação. Eu brinco que cruzar a Avenida em uma hora e meia é muito mais fácil do que esses cinco minutos — diz Raíssa, aluna da Active Pulse. — Além do aumento da tonificação dos músculos, melhorou muito o meu desempenho. E ano passado eu comecei faltando pouco mais de dois meses para o desfile. Dessa vez, após um período de descanso, estou retornando com tudo, e o resultado deve ser ainda melhor.
De acordo com Márcio Vasconcelos, professor de educação física e proprietário da Active Pulse, a unidade registrou um aumento de 40% na procura em um ano.
— O principal público que busca a EMS é de mulheres entre 35 e 45 anos, mas é uma tecnologia que beneficia a todos; de jovens a idosos. No caso de Raíssa, o professor Felipe Amado trabalhou mais a parte de tonificação e resistência e prevenção de lesões, uma vez que ela fica muito tempo com peso e sobre um salto, precisando de bastante preparo físico.
Na TecFit já são mais de cem alunos matriculados em pouco mais de 30 dias. Atraído pela rapidez das sessões, o casal de advogados Monique Gonçalves e Rodolpho Araújo começou os treinos assim que o espaço abriu. O objetivo dela é tonificar os músculos; o dele, perda de peso.
— Eu tenho um bebê em casa, e conciliar o trabalho com família e atividade física é um pouco complicado. O fato de ser um treino muito mais rápido facilita e eu já vejo algum resultado — atesta Monique.
Animado, Araújo também comemora as conquistas:
— Já perdi quatro quilos, segundo a balança, e acredito que, quando eu fizer a avaliação, a perda seja ainda maior porque trocamos a massa gorda pela magra.
Apenas uma alerta: é preciso dar um intervalo de no mínimo 48 horas entre as sessões, sendo recomendado, no máximo, três treinos semanais. A tecnologia não é aconselhada para portadores de marca-passo e gestantes.