Fitness

Quer otimizar seu treino? Nove dicas de alimentação para alta performance

A alimentação adequada é um dos principais fatores para aumentar o nível de energia, vitalidade e até mesmo a produtividade do indivíduo (em todas as áreas da vida)

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)
- Atualizada em

Quer melhorar o seu desempenho nas atividades físicas? A alimentação adequada é um dos principais fatores para aumentar o nível de energia, vitalidade e até mesmo a produtividade do indivíduo (em todas as áreas da vida). Para te ajudar a alcançar melhores resultados no treino, o professor Luís Sérgio Álvares DeRose, selecionou nove dicas sobre alimentação que podem ser aplicadas de forma prática e simples.

DeRose é o criador do DeROSE Method, uma metodologia que ensina técnicas e comportamentos que aprimoram o desempenho de renomados atletas e executivos de grandes empresas. Confira as dicas:

Foto: reprodução
1 - Peça ao seu nutricionista para elaborar uma dieta balanceada. Fuja do fanatismo, das esquisitices e das modinhas. Elas só fazem você perder tempo e certamente comprometerão a sua saúde.

2 - Elimine a ingestão de qualquer tipo de carnes, até mesmo carne de frango, carne de peixe, carne de crustáceo ou qualquer outra. Muitas pesquisas científicas já comprovaram que o corpo humano não foi feito para digerir carnes, processo de demanda muita energia, te deixa lento e ainda pode prejudicar o funcionamento do teu corpo desencadeando doenças, inclusive o câncer.

3 - A redução drástica do sal ajuda muito o aumento de flexibilidade. O sal também torna a pessoa menos sensível, cortando percepções sutis que contribuem muito na tomada de decisões. No lugar do sal, introduza salsão (que dá um gosto salgado), curry, cardamomo, orégano, cominho, pimenta malagueta, gengibre e outros temperos.

4 - Evite líquidos às refeições, bem como no período de meia hora antes e meia hora depois de comer.

5 - Guarde a água que sobrar do cozimento de legumes. Ela é rica em sais minerais e pode ser usada para cozinhar outro alimento como, por exemplo, o arroz. Além da vantagem nutricional, o outro prato fica mais saboroso.

6 - Restrinja o uso de maioneses, ovos, creme de leite, manteiga e gorduras de origem animal. A manteiga, quase sempre, pode ser substituída por azeite de oliva extra-virgem, extração mecânica a frio.

7 - Adote especiarias, pois além de realçar o sabor, ajudam a digestão, auxiliam a processar gorduras, beneficiam o fígado, vesícula, intestinos, dão vitalidade e tonificam todo o organismo. São elas: gengibre, cravo, canela, orégano, cominho, tomilho, açafrão, coentro, curry, noz-moscada, manjerona, manjericão, turmeric (cúrcuma) com pimenta preta, salsa e cebolinha, alho, cebola e mais umas quarenta variedades que se encontram com relativa facilidade nos supermercados.



8 - Elimine as panelas de alumínio. Adote as de vidro, ferro, aço, ágata, barro, pedra etc. Evite as películas antiaderentes: há uma séria suspeita de que sejam cancerígenas.

9 - Devemos consumir o mínimo possível de laticínios. Contudo, não podemos eliminá-los, pois nos proporcionam elementos nutricionais que fariam falta e sua restrição nos tornaria reféns da indústria farmacêutica ao criar a dependência dos suplementos alimentares. Poucas cidades do mundo nos oferecem variedade de alimentos orgânicos que nos permitam eliminar 100% os laticínios e preservar uma boa nutrição.

O especialista ainda indicou que é importante ficar atento ao apelo visual.  "A informação de compor uma refeição colorida e muito aromática ainda está valendo. Outra forma de usar o apelo visual é observar como fica o estado do seu prato após a refeição. Isso pode indicar o grau de vitalidade que a comida produziu no seu organismo. Se o prato estiver tão limpo que não precise ser lavado, seu corpo também estará limpo por dentro. Se o seu prato precisar de muito detergente e muita água quente para ficar limpo, imagine o estado dos seus órgãos internos após digeri-la", explicou DeRose.