Fitness

Veja como dieta sem glúten favorece o emagrecimento

Glúten é uma proteína vegetal, presente no trigo, na aveia, no centeio, na cevada, no malte, e em todos os produtos que utilizam esses ingredientes em seu preparo

Revista ABM

A dieta isenta de glúten é indicada para celíacos ou pessoas com sensibilidade ao nutriente, mas quem não se encaixa nesses grupos pode se beneficiar com a redução de glúten na alimentação, se o intuito for emagrecer.

Segundo os especialistas, para eliminar peso não é necessário retirar todo o glúten da alimentação. O importante é reduzir a quantidade do nutriente, retirando os carboidratos simples e os açucares e fazendo substituições saudáveis no cardápio.

Mas a perda de peso acontece não porque cortou o glúten, e sim porque diminuiu o consumo de calorias na alimentação. O glúten, isoladamente, não é calórico. É importante procurar a orientação de um nutricionista ou endocrinologista para indicar um cardápio adequado.
Foto: Revista ABM
O glúten é uma proteína vegetal, presente no trigo, na aveia, no centeio, na cevada, no malte, e em todos os produtos que utilizam esses ingredientes em seu preparo, como é o caso de bolos, pães, pizza, cerveja, e uma infinidade de outros alimentos.

Quais são os alimentos que contém glúten?

• Pão, torrada, bolacha, biscoito, massas, bolos

• Cerveja, pizza, salgadinhos, cachorro quente, hambúrguer;

• Gérmen de trigo, triguilho, sêmola de trigo

• Queijos, ketchup, maionese, shoyo

• Salsicha, temperos industrializados

• Cereais, barrinha de cereais, xaropes e alguns remédios

• Hóstia distribuída na igreja católica

• Molho branco

• Sopas desidratadas e temperos prontos
 

Alimentos permitidos na dieta glúten zero

• Carnes em geral

• Leguminosas (ervilhas, feijão, soja, grão de bico, etc)

• Batata doce, inhame

• Legumes frescos

• Pães preparados com farinhas de arroz, milho, mandioca ou soja

• Manteigas, margarinas, gorduras animais

• Frutas frescas, leites e derivados

• Café, chás e suco de frutas
 
Sugestão de cardápio sem glúten


Café da manhã – Pão sem glúten com manteiga e café, ou tapioca

Lanche da manhã – Mix de oleaginosas

Almoço – Arroz com filé de frango grelhado e salada de agrião, tomate e repolho roxo, temperada com azeite e vinagre

Sobremesa – Melancia

Lanche da tarde – Vitamina de morango com amêndoas

Jantar – Peito de frango grelhado com legumes assados e temperados com suco de limão e ervas, e mix de salada de folhas.

Ceia – Maçã

Receita de bolo de cacau sem glúten
Foto: Revista ABM
Ingredientes:

• 3 colheres de sopa de óleo de coco

• 1 xícara de chá de açúcar de coco

• 3 ovos inteiros

• 1 xícara de chá de farinha de amêndoas sem sal (é só triturar a amêndoa até virar farinha)

• 1 xícara de chá de farinha de arroz (de preferência integral)

• 1/2 xícara de cacau em pó

• 1 colher de sopa de fermento em pó

• 1 xícara de chá de leite vegetal


Modo de preparo:

Bata as claras em neve e reserve.

Em outro recipiente, bata o óleo com o açúcar até obter um creme.

Junte as gemas, batendo bem.

Junte a farinhas, o cacau e o leite.

Junte o fermento e misture mais um pouco.

Acrescente as claras batidas em neve e misture com cuidado.

Despeje em assadeira untada e polvilhada.

Asse em forno médio pré-aquecido por 35 minutos.


Para a calda


Ingredientes:

• 1 colher de sopa de óleo de coco
• 6 colheres de sopa de leite vegetal
• 3 colheres de sopa de cacau em pó
• 3 colheres de sopa de açúcar de coco  

Modo de preparo:
misture tudo e deixe engrossar. Se precisar, ajuste as quantidades.  

 

Doença celíaca

Segundo dados do Ministério da Saúde, cerca de 1 milhão de pessoas no Brasil são portadores da doença celíaca, a doença autoimune de  intolerância ao glúten. Estas pessoas não podem consumir essa proteína, que desencadeia a produção de anticorpos no intestino delgado, causando inflamação nas paredes intestinais e dificultando a absorção de nutrientes.

E existem também milhares de pessoas que apresentam sensibilidade não celíaca ao glúten, causada pelo consumo excessivo de alimentos ricos no nutriente, ou por alterações intestinais por maus hábitos alimentares. Essas pessoas também precisam ter uma dieta controlada e podem apresentar alguns desses sintomas (que variam de pessoa para pessoa):

Dificuldades para perder peso, prisão de ventre, cólicas abdominais, enxaquecas, dores articulares, musculares, depressão, alterações do humor, hiperatividade, aftas, formigamentos das extremidades e infecções urinárias de repetição.