FLICA

'É com muita perplexidade que vejo o mundo recuando', diz Valter Hugo Mãe

Literatura como agente transformador foi o principal tema do primeiro debate da Flica 2018

Isadora Sodré (isadora.sodre@redebahia.com.br)
- Atualizada em

Um local rico em história, cultura, religiosidade e natureza: assim é a cidade do recôncavo baiano que recebe a oitava edição da Feste Literária de Cachoeira (Flica). O evento gratuito, que começa nesta quinta-feira (11) e vai até domingo (14), tem como expectativa de público mais de 30 mil pessoas durante os quatro dias.

Escritora Conceição Evaristo é a homenageada desta edição do evento (Foto: Ricardo Prado/Divulgação)

A mesa de abertura desta quinta-feira (11) ficou por conta do premiado escritor português, Valter Hugo Mãe, e do autor e professor universitário baiano, Aleilton Santana. O debate foi mediado pelo diretor da Fundação Pedro Calmon, Zulu Araújo. Na ocasião, estavam presentes a homenageada desta edição, Conceição Evaristo, a secretária de cultura do estado da Bahia, Arany Santana, e o prefeito de Cachoeira, Tato. 

Primeira mesa da Flica 2018 teve como tema principal a literatura como agente transformador (Foto: Ricardo Prado/Divulgação)

A literatura como agente de transformação deu o tom da mesa de abertura da festa denominada "Escritores em um mundo intolerante e deserto de compaixão". Segundo Valter Hugo Mãe, ele sempre quer ver a Terra como um lugar melhor, mas tem se entristecido com o que tem acontecido. "Vejo com muita perplexidade o recuando, 'emburrecendo', mas por mais que eu possa me desiludir, eu não posso desistir", relatou.

O escritor português ainda salientou a importância da literatura como um vetor de transformação da humanidade. " Através do conhecimento, podemos adquirir um afeto mais racional, mais humano", explicou.

O autor baiano Aleilton Santana destacou a importância de dar voz para novos autores da Bahia que mostram a realidade do estado sem 'glamourização'. "É preciso ver uma Salvador com contrastes de forma atualizada, sem esquecer dos nossos grandes autores do passado. A literatura é arte, mas os escritores são pessoas que vivem em uma sociedade e precisam mostrar a realidade da cidade", disse. 

Flica e a mulher negra como destaque
Ter a escritora Conceição Evaristo como homenageada da festa não é um acaso. Segundo o curador da Flica, Tom Correia, a quantidade de mesas com convidadas mulheres é um reflexo do tempo em que vivemos. "As mulheres estão se destacando cada vez mais e elas precisam ocupar espaços de visibilidade", disse.

Tom explicou como é pensada a elaboração das mesas da festa literária (Foto: Ricardo Prado/Divulgação)

Quanto a escolha dos convidados do evento, Tom explicou que o processo exige muita pesquisa e um dos requisitos é o fato do autor nunca ter participado do evento. "Prestamos atenção na trajetória de cada autor e autora e na sua representatividade. Montamos uma programação bem eclética, diversificada", explicou.


Expectativa do público
Durante o primeiro dia da festa literária, é possível perceber nas ruas de Cachoeira a presença marcante de alunos de escolas estaduais e municipais, além de estudantes e professores universitários. 

A professora universitária se diz 'fiel' à Flica (Foto: Isadora Sodré/iBahia)

A professora universitária da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), Rita Breda contou que é 'fiel' à Flica, pois já veio em diversas edições do evento. Desta vez, ela trouxe também alunos do curso de pedagogia da instituição de ensino da qual é professora. 

"Sou professor, trabalho com a formação de leitores e professores e acredito que este evento é bom para descobrir coisas novas e abrir a cabeça para novas ideias. Além de Cachoeira ser uma cidade acolhedora e aconchegante, uma típica cidade do Recôncavo", contou.

Esta é a primeira vez que as estudantes vem para a Flica
Duas alunas de pedagogia que vieram pela primeira vez à festa com Rita, contaram que estão adorando o clima da cidade. "É muito bom ver a quantidade de estudantes como nós em um evento que enaltece a literatura", falaram.

Confira o vídeo completo da primeira mesa da Flica "Escritores em um mundo intolerante e deserto de compaixão":