FLICA

Flica 2018: 'A literatura é uma força de resistência contra o mal', diz Noemi Jaffe

Esta é a terceira mesa do evento que acontece até este domingo (14)

Isadora Sodré (isadora.sodre@redebahia.com.br)
- Atualizada em

A terceira mesa da oitava edição da da Feira Literária de Cachoeira (Flica) teve como principal tema a literatura como instrumento para humanizar e trazer a reflexão para as pessoas. Denominada "A Leveza das Orquídeas mais Pesadas do que a Ventania", o debate contou com a presença dos escritores Noemi Jaffe e Ricardo Aleixo e teve como mediadora Mônica Menezes. Este é o segundo dia do evento, que é gratuito, e será realizado até este domingo (14).

Foto: Ricardo Prado/Divulgação
Para a professora universitária e escritora paulista, Noemi Jaffe, a arte de criar faz com o que o autor seja mais humano dentro da própria humanidade, pois ele consegue ser outro ser além de si mesmo.


"A literatura tem esta força de recriar, construir. A leitura é a linguagem da resistência e pode transformar a semente do mal que existe em cada um de nós", disse.

O escritor mineiro Ricardo Aleixo pontuou também o lugar o papel do escritor no Brasil. "A literatura, em um país que faz dos índices de analfabetismo um ganho político, faz com que eu tenha a alegria de viver na mesma casa para onde eu fui com 9 anos de idade, com meus pais já velhos. Sem esse único bem eu não teria condições de desenvolver nem um décimo do que desenvolvi hoje”, declarou.

Confira o vídeo da terceira mesa da Flica 2018: