FLICA

Flica 2019 é lançada oficialmente; evento acontece entre 24 e 27 de outubro

Autora homenageada na edição deste ano é Gláucia Lemos, que completa 40 anos de carreira literária. Destaque para mesas sobre Quadrinhos, Literatura de Cordel e LGBTQI+ e Geração Flica

Redação iBahia
- Atualizada em

O Salão de Atos na Governadoria, no Centro Administrativo da Bahia, recebeu na tarde desta quinta-feira (19) o evento de lançamento da Festa Literária Internacional de Cachoeira, a Flica. A 9ª edição do evento vai acontecer entre os dias 24 e 27 de outubro, em Cachoeira, recôncavo baiano, cidade a 130 km de Salvador.

CONFIRA AQUI TODA PROGRAMAÇÃO DA FLICA 2019

Além de nomes expoentes da literatura nacional e internacional, o evento contará com a Fliquinha, programação voltada para o público infantil e, como novidade em 2019, a Geração Flica, atração que vai apresentar ao público autores que se destacam especialmente no universo jovem. O evento é gratuito.

Durante o ato de lançamento, o governador Rui Costa pontuou a relevância e contribuição do evento para o cenário cultural baiano. “A Flica é uma ‘semente do bem’, que fez com que nascessem várias festas literárias na Bahia. E é um sucesso, que vem dessa vez inovando, com uma linguagem que dialoga com a juventude. Eu espero que esta edição possa, mais uma vez, incentivar a participação dos nossos jovens da rede estadual”, afirmou o governador Rui Costa.

A Festa Literária Internacional de Cachoeira (Flica) é uma apresentação do Governo do Estado da Bahia, realização da icontent e Cali, patrocínio da Coelba via Fazcultura e Governo do Estado, apoio institucional da Rede Bahia e apoio da Prefeitura Municipal de Cachoeira. 

A cerimônia de lançamento reuniu o coordenador geral da Flica, Emmanuel Mirdad, a curadora da festa, Kátia Borges, e a grande homenageada deste ano, a escritora soteropolitana Gláucia Lemos, que comemora 40 anos de lançamento do seu primeiro livro publicado.

“Ser homenageada na Flica é um presente que torna ainda mais alegre esse meu aniversário na literatura, pois a Flica é um acontecimento cultural de um significado enorme, porque nós não temos muita oportunidade de mostrar o trabalho de literatura no nordeste”, afirmou Gláucia.

“Nesta edição o público vai encontrar, mais uma vez, diversidade de opções nas mesas de debates, todas inteiramente gratuitas. Pela primeira vez a gente vai ter a programação juvenil, graças também ao apoio do Governo da Bahia, que está com a gente desde a primeira edição. A gente fica muito feliz porque investir em cultura é investir no povo. Não só na geração de emprego e renda, como na valorização das pessoas, da cidade, do local”, comenta o coordenador geral da Flica, completou Emmanuel Mirdad.

A homenageada
A escritora Gláucia Maria de Lemos, nascida em Salvador, Bahia, é autora de vários títulos de literatura infanto-juvenil, como a coleção ‘Marujo Verde’, além de contos, ensaios, resenhas e romances, alguns dos quais premiados ‘O Riso da Raposa’, pela Academia de Letras da Bahia, em 1985, ‘A Metade da Maçã’, pela Secretaria de Cultura do Recife, em 1988, ‘As Chamas da Memória’ pela União Brasileira de Escritores - Rio de Janeiro, em 1990 e ‘Bichos de Conchas’, vencedor do II Prêmio de Literatura da UBE/Scortecci, em 2007. A maior parte da sua obra é publicada no estilo prosa, com exceção do livro de poesia infantil ‘O Cão Azul’.

O superintendente de operações da Coelba, Leonardo Santana, falou que é um orgulho para Coelba participar e patrocinar a Flica. "Damos apoio desde as primeiras edições . Entendemos que, como empresa, é importante fomentar no estado a literatura, para todas as idades, aproximando da sociedade, da comunidade", pontuou.

A curadora
Em 2019, a Flica irá trazer temas contemporâneos nas mesas, sob curadoria de Kátia Borges, jornalista e poetisa. "De modo a apresentar ao público as diversas vertentes da arte literária do nosso século, a 9ª edição da Flica aposta na centralidade da palavra como força motriz de transformação, em um planeta que reinventa as suas fronteiras. É nesta perspectiva que o conceito curatorial da festa ancora sua programação, com foco na história do país e na reconfiguração das relações humanas, e suas representações, em um universo de intenso trânsito entre conceitos, populações e identidades", explica a curadora.

Novidades nas mesas
Um dos assuntos mais requisitados pelo público da Flica, a poética urbana dos Quadrinhos também se fará presente nesta edição, representada no trabalho dos cartunistas Marcelo D`Salete e Hugo Canuto. Na ocasião, eles irão falar sobre os quadrinhos no século 21, como expressão e afirmação das culturas urbanas, em interação com as tradições, em um processo de ressignificação e de representatividade do povo negro

A edição 2019 também destaca a Literatura de Cordel, outro tema sempre lembrado pelos "fliqueiros" e tema inédito na Flica. O Cordel, de modo pioneiro, será contemplado na edição 2019 da Flica com as presenças dos escritores Bráulio Bessa e Antônio Barreto, em uma mesa que rende homenagem, em seu título “Para cada canto que olho vejo um verso se bulindo”, aos versos do lendário Patativa do Assaré. 

Outras duas importantes mesas vão debater sobre a poesia. A primeira delas traz as técnicas formais de criação poética, com a poeta portuguesa Maria do Rosário Pedreira e o baiano Antônio Brasileiro como debatedores. A segunda mostra a força da poesia produzida pelos autores negros brasileiros, com a presença dos poetas e pensadores do movimento negro Lande Onawale e Jovina Souza, e a mediação da poeta Livia Natália, uma das mais importantes do país na contemporaneidade.

O público vai poder conferir ainda o trabalho de formação realizado no Recôncavo pela Irmandade da Palavra, além das batalhas poéticas promovidas pelo Slam das Minas, que vai proporcionar um encontro inédito no encerramento da festa.