Futebol S/A

Sob o caos dos direitos de TV, Canal Plus vai transmitir Ligue 1 até o fim da temporada

Canal Plus adquire 80% dos direitos de transmissão dos jogos do Campeonato Francês

Flankel Lima
- Atualizada em

A França finalmente tem uma solução para ao menos conseguir terminar a temporada com todos os seus jogos transmitidos na TV local. O Canal Plus fechou contrato com a Ligue de Football Profissionnel (LFP) ao pagar €35 milhões para ter direito aos 80% dos jogos que ficaram vagos com a desistência da Mediapro, segundo a agência de notícia AFP. O próprio Canal Plus tem outros 20% dos jogos e tinha pagado por €330 milhões por isso.

Com a queda dos valores, os clubes terão uma queda de 49% das receitas de direitos de TV para os clubes da Ligue 1, além de outros 40% de queda nos direitos da Ligue 2, também segundo a AFP. Isso deve agravar a situação financeira de muitos dos clubes, que já sofrem com a pandemia da COVID-19 e a queda de receitas, especialmente sem a presença de público nos estádios. Direitos de TV são uma parte grande do faturamento dos clubes na França, como acontece em praticamente todas as grandes ligas.

A Mediapro pagaria €780 milhões por temporada para ter direito a 80% dos jogos, em contrato que valia de 2020 a 2024. A pandemia agravou a situação financeira do grupo, que atrasou pagamentos e, depois de algumas negociações, desistiu dos direitos de transmissão. A LFP, então, decidiu fazer um novo leilão e Amazon, DAZN e Discovery participaram, mas todos com propostas menores do que o valor pedido.

Com o acordo fechado garantindo ao menos a transmissão até o fim da temporada, a LFP terá mais tranquilidade para negociar os direitos das próximas temporadas, pelo restante do contrato que era da Mediapro, até 2024. Os mesmos candidatos devem tentar um novo acordo. O Canal Plus quer termos muito diferentes para a negociação definitiva, assim como a BeIN Sports. DAZN, Amazon e Discovery devem fazer nova tentativa, mas fica claro que os valores serão certamente muito inferiores àqueles fechados em 2018. Resta saber como isso vai impactar os clubes franceses.

Por Trivela