Gastronomia

Cozido, feijoada e comida baiana: entenda essa tradição gastronômica de Salvador

O portal iBahia descobriu a origem dessa tradição e ainda traz as indicações, dadas por Soteropobretano e Belezas do Subúrbio, de onde comer essas delicias

Mayra Lopes (mayra.lopes@redebahia.com.br)
- Atualizada em

A Bahia possui inúmeras tradições e na área gastronômica isso não é diferente. Por aqui, temos dias específicos para comer determinados pratos típicos. É só observar: desfrutar de um belo prato de comida baiana às sextas-feiras é uma honra para qualquer soteropolitano. E não tem uma pessoa que não fique maravilhado com a prática.

E a tradição não para por aí. Aos sábados, é dia de comer o famoso cozido e no domingo, a feijoada completa - com direito a laranja, couve refogada e farofa de ovo. Agora, como surgiu essa tradição? Você já ouviu falar sobre a origem desses pratos ou como eles foram incorporados no nosso cardápio? Se não, veja só como tudo é resultado de onde viemos.

Fotos: Divulgação
A capital baiana tem uma herança histórica inegável e, quando se fala em gastronomia, isso não é diferente. Dentro deste contexto, algumas tradições cotidianas foram criadas por influência dos povos que viveram aqui e continuam até hoje, sendo executadas pelos soteropolitanos. De acordo com o historiador Ricardo Carvalho, o vínculo com nossa ancestralidade tem ligação direta com as tradições da matriz africana e portuguesa.

"Os alimentos a base do óleo de palma às sextas-feiras (que aqui chamamos de azeite de dendê) são fruto das tradições ligadas a nossa matriz africana, bem como a feijoada aos domingos vinculasse com único dia de folga dos africanos escravizados nos engenhos coloniais. Adaptar uma comida com os grãos de feijão e o que ficava disponível de proteína animal vindo da casa grande transformava-se na refeição alternativa e nutritiva para os nossos antepassados africanos.", disse o historiador

"Os hábitos alimentares são resultado da vida de uma comunidade, das misturas e influências externas e das escolhas que o paladar decide por si só. As comidas de dendê na sexta-feira - da matriz africana, o cozido português - hábito ibérico aos sábados - e a feijoada aos domingos - como única opção de lazer dos negros escravizados. Assim,  a tradição surge como consequência dos processos naturais sociais e com alguma influência dos interesses econômicos também", detalhou Ricardo.

Ainda de acordo com os relatos históricos e religiosos, a sexta-feira é dia de reverência ao orixá Oxalá e os sábados são, até hoje, um dia de comemoração familiar em Portugal. O domingo já possui um histórico diferente. Como disse Ricardo Carvalho, é parte do cotidiano vivenciado aqui pelos escravos.

"O que não era consumido na casa branca era incluído na feijoada. Em relação a adaptação dos ingredientes ao longo dos anos, o historiador falou ainda que tudo foi resultado da oferta e do que realmente era possível na época.

"Essa adaptação é fruto do processo natural de evolução na produção e disponibilidade dos alimentos e pode ser facilmente comprovado pelos registros de época que mostram a diferença entre os pratos originais e aqueles que foram criados ao longo da história do Brasil. O cozido português ganha novos ingredientes e sabores assim como a feijoada recebe complexidade e novos aparatos culinários ao longo do tempo", relatou.

Ficou curioso em saber um pouco mais sobre os pratos ou com desejo de comer? Então confira essas indicações que selecionamos com a ajuda de Iuri Barreto, do Soteropobretano, e Anderson Simplício, do Belezas do Subúrbio.

  • SEXTA-FEIRA (COMIDA BAIANA)

Dona Mariquita
Endereço: R. do Meio, nº 178 - Rio Vermelho.
https://donamariquita.com.br
Contato: 3334-6947
*Com o cardápio bem regional, o restaurante serve comida baiana também todos os dias por conta da demanda de clientes e turistas. Vale a pena conferir.

Foto: André Fofano/Divulgação

  • SÁBADO (COZIDO)

Restaurante Varanda Baiana
Endereço: Rua do Uruguai, nº 44, 1º andar Mares. Em frente a central de telemarketing Atento.
@varandabaianbacbx
Contato: 9 9332.9798 (whatsapp)
*O cardápio é a la carte. De acordo com o restaurante, apesar da tradição ser aos sábados, eles abriram essa oportunidade por conta da demanda dos clientes interessados na iguaria.

Foto: Reprodução/Instagram
  • DOMINGO (FEIJOADA)

Aconchego da Zuzu
Endereço: R. Quintino Bocayuva, 18 – Garcia
@aconchegozuzu
Contato: 98172-2097
* O restaurante serve feijoada durante todo o final de semana. Sextas e Sábados o prato é feijoada carioca (feijão preto) e aos domingos a mais tradicional feijoada de Salvador (Feijão mulatinho)

Foto: Reprodução/Instagram