IssaBordo

Boipeba: conheça a ilha do sossego vizinha a Morro de São Paulo

Boipeba tem localização estratégica para quem pretende esticar a estadia e conhecer outros destinos, via mar, como Garapuá e Morro de São Paulo

Erick Issa*

Boipeba é um daqueles lugares que parece desenhado por Deus para agraciar os visitantes. Menos badalada do que a quase vizinha Morro de São Paulo, a ilha de Boipeba atrai pelo sossego e por suas belezas. Por aqui, a badalação dá lugar a um merecido descanso onde a única preocupação será apreciar as belezas da natureza. 

Localizada no Arquipélago de Tinharé, pertencente ao município de Cairu, o mesmo de Morro de São Paulo, Boipeba tem localização estratégica para quem pretende esticar a estadia e conhecer outros destinos, via mar, como Garapuá e Morro.

Como chegar a Boipeba?
É difícil chegar a Boipeba? A resposta é não! Eu diria que pode ser um pouco complexo ou demorado, mas difícil nunca. Inclusive não há apenas uma maneira de chegar na ilha. Vamos a elas:

Como sou de Salvador, decidi seguir de carro pelo ferry-boat. Se você é turista e vai alugar carro, é possível fazer o mesmo caminho, caso contrário, basta pegar o ferry como pedestre e na sequência um ônibus, que sai de hora em hora de Bom Despacho. Após concluir a travessia de ferry na Baía de Todos os Santos, você deve dirigir até Valença, onde o carro ficará em algum estacionamento particular à sua escolha, já que não é possível ir de carro até Boipeba. De Valença até Boipeba, é necessário que o visitante pegue uma lancha rápida. 

A travessia de ferry dura cerca de 1h, mesmo tempo da travessia de lancha entre Valença e Boipeba. O trecho de carro entre o terminal de Bom Despacho e o Terminal Hidroviário de Valença é de 1h40, enquanto o ônibus até a rodoviária local leva 2h. Se for de ônibus, você vai precisar pegar um táxi da Rodoviária ao Terminal Hidroviário, o que pode custar até R$ 20. Uma opção é conversar com o motorista do ônibus para descer uma parada antes da rodoviária, evitando a ação dos taxistas.

Pegar o ferry boat é uma das opções de translado (Foto: Acervo Erick Issa)

Os preços:

  • Pedestre Ferry-Boat: R$ 5,60 (seg a sex) ou R$ 7,40 (sab, dom e feriados).
  • Carro Ferry-Boat: R$ 50,60 (seg a sex) ou R$ 71,70(sab, dom e feriados).
  • Ônibus Bom Despacho-Valença: R$ 30 (Convencional) e R$ 35 (Executivo).
  • Estacionamento em Valença: diárias a partir de R$ 15.
  • Lancha Valença-Boipeba: R$ 40 (um trecho).


Boipeba via Morro de São Paulo

Outra opção de translado é pegar o catamarã, que sai do terminal próximo ao Mercado Modelo, com destino a Morro de São Paulo e de lá seguir em um dos passeios de lancha até Boipeba. Essa opção é mais recomendada para quem deseja combinar as duas ilhas, curtindo primeiro Morro de São Paulo e em outro dia Boipeba. Lembrando que se estiver com muita mala, pode ser desconfortável, afinal o passeio que sai de Morro e segue para Boipeba possui duas paradas obrigatórias, o que pode gerar algum nível de ansiedade ou estresse.

Lembretes:
Para entrar no Morro é necessário pagar uma taxa de preservação de R$ 20. Boipeba não cobra taxa de acesso.

O catamarã tem duas saídas diárias (9h e 14h30) e custa R$ 113. No sentido inverso, os horários são 11h30 e 15h com valor de R$ 111,10. A duração da viagem gira em torno de 2h30 e pode gerar desconforto, caso o mar esteja agitado. Então não esqueça do remédio contra enjoo. Os tickets podem ser adquiridos nos guichês da empresa ou pelo site biotur.com.br.

Já o preço do passeio que sai de Morro e segue até Boipeba custa R$ 150 por pessoa. Você pode negociar com as agências e barqueiros.

 (Foto: Acervo Erick Issa)

Passeios em Boipeba
Boipeba tem muitas opções de passeios. Basta chegar e encontrar uma agência para definir quais praias ou ilhas você quer conhecer. Fechei meu roteiro com a Boipeba Beach Coco Louco, que fica, inclusive, no complexo da Vila da Barra, onde me hospedei. Sei que vocês devem se perguntar: o que tem para fazer em Boipeba? Muita coisa! Senta aí que vamos conversar sobre isso.

De cara, você precisa fazer o passeio de volta à ilha de Boipeba. São várias paradas, entre as quais as piscinas naturais de Moreré e Castelhanos, a Cova da Onça, o Portal das Ostras, dentre outros. Como nosso guia era dos bons, ainda tivemos um Pôr do Sol exclusivo, num banco de areia em alto mar. Converse com sua agência/guia para verificar essa possibilidade. 

O passeio de volta a ilha dura 7h e custa R$ 180 por pessoa. O preço é tabelado pela Prefeitura. Esse tour tem parada nas piscinas naturais de Moreré, na Praia e piscinas naturais dos Castelhanos, Cova da Onça e Portal das Ostras. 

Erick em um dos passeios em Boipeba  (Foto: Acervo Erick Issa)


Se tiver mais tempo na ilha, você também pode fazer outros concorridos passeios, como Garapuá, povoado de praias e piscinas naturais paradisíacas, e até mesmo ir a Morro de São Paulo, que fica ali pertinho. Para Garapuá, o preço é de R$ 150 por pessoa, enquanto Morro sai por R$ 200.

Se quiser desbravar um pouco mais do litoral, a Coco Louco te leva a Barra Grande, na península de Maraú, local que tem despertado a paixão de artistas, principalmente em épocas como o réveillon. Para os amantes dos esportes radicais, praticar wakeboard é uma ótima opção. Você também pode se aventurar com uma boa pescaria em alto mar. Esse passeio sai por R$ 200 por pessoa.

Comer e beber em Boipeba
Se for a Boipeba, vá sabendo que a ilha é paradisíaca e que tem o sossego como principal aliado. A badalação fica em Morro de São Paulo. Em Boipeba, quase não há badalação durante a noite, sendo a praça o principal ponto de encontro para tomar uma bebida ou comer uma boa tapioca, que na Bahia chamamos de Beiju.

Pastel dos Castelhanos (Foto: Acervo Erick Issa)

Se fizer o passeio de volta à ilha, você vai passar na Ponta dos Castelhanos. Lá, você tem dois compromissos: provar o Pastel dos Castelhanos e tomar o drink no cacau do Mestre dos Magos. Já na Cova da Onça, você tem as melhores opções de frutos do mar no Restaurante Estrela do Mar. A minha escolha foi pela moqueca de camarão, que estava deliciosa. O prato é para duas pessoas, mas comem até três. 

Ah! Na praça central de Boipeba, durante a noite, são muitas opções, então o ideal é olhar os cardápios e sentir os aromas, mas não deixe de provar a Tapioca da Praça.

Drink de cacau e moqueca de camarão (Foto: Acervo Erick Issa)



Hospedagem em Boipeba

A ilha conta com várias pousadas, desde mais simples até as mais equipadas. Como disse anteriormente, me hospedei na Vila da Barra. Seus apartamentos incluem sala, banheiro, quarto e cozinha. Tudo muito bem equipado, inclusive com sofá, minis geladeiras, microondas, bocas de fogão, dentre outras coisas. 

Alguns turistas preferem se hospedar na famosa pousada Céu de Boipeba, que também é ponto turístico da região. Mesmo que não esteja hospedado por lá, você deve assistir ao Pôr do Sol no Céu de Boipeba ao menos uma vez. Mas atenção, vá com calma, pois o caminho até lá tem algumas subidas por uma estrada de barro. 

As regras para acessar o local sem ser hóspede: tirar o chinelo na entrada e consumir alguma coisa.

Você também pode consultar sites como Booking e Hoteis.com para encontrar outras opções de hospedagem. Também é indicado falar diretamente com as hospedarias na tentativa de conseguir melhores preços que nos sites que fazem a intermediação de hospedagem.

Pousada Vila da Barra em Boipeba  (Foto: Acervo Erick Issa)

Quando ir a Boipeba?
Por ser uma ilha com acesso mais distante partindo de Salvador, recomendo que prefira viajar a Boipeba nos meses em que o sol está firme ou que consulte a previsão do tempo para a semana em questão. Em época de chuva, você corre o risco de ficar ilhado, no sentido real da palavra. Como sempre digo, o fato de determinados meses concentrarem uma probabilidade maior de chuva, isso não quer dizer que o sol não vai aparecer em alguns momentos, mas, tenha em mente, que uma frente fria persistente pode frustrar seus planos, então planeje direitinho antes de seguir viagem.

Lembre-se que nessa região da Bahia, os meses mais chuvosos vão de março a julho. A partir de agosto, a chuva começa a aliviar.  Para curtir Boipeba mais vazia, os meses de setembro e outubro são ideais, até pelo fato de ainda ser baixa temporada, o que vai garantir os melhores preços. Mas se você prefere viajar no verão, ainda assim encontrará um paraíso ideal para unir a beleza do lugar e um descanso merecido. 

Erick Issa*
E aí, gostou das dicas de Boipeba? Então compartilhe com seus amigos nas redes sociais. Para mais dicas de viagens e turismo, acesse www.issabordo.com.br.