Mapas Juninos

Aprenda a fazer drinks bons e baratos para a festa de São João

Não se engane: dá para fazer drinques elaborados com bebidas baratinhas que você encontra no supermercado

Victor Villarpando, do Correio 24h (victor.villarpando@redebahia.com.br)

Fim de mês, grana curta... Se você não tem condições de comprar uma garrafa de vodca Absolut, por que não investir em algo mais baratinho e tradicional? Em vez de gastar quase R$ 100 com a bebida russa, que tal usar menos de 10% desse valor com uma prima local, como a Catuaba Selvagem, a Jurubeba ou o licor de jenipapo? Não se engane: dá para fazer drinques elaborados com essas bebidas.Convidamos os barmans Waldilson Santos (Casa do Comércio), Alan do Carmo (Don Sushi Lounge) e Gustavo Guimarães (La Taperia) para criarem receitas exclusivas para o CORREIO. Veja no que deu.

Licor de Jenipapo
Usada pelos índios para pintar o corpo, a fruta atualmente é mais famosa por causa do São João. O licor de jenipapo é um dos ícones da festa junina.

A fruta do jenipapeiro, cujo nome científico é genipa americana, gera uma das mais apreciadas bebidas do Recôncavo. Lá, são produzidas de forma  artesanal, em tonéis que ficam em infusão por até um ano. Os preços, assim como a maneira de fabricação, variam.  

Dá para encontrar uma garrafa de um litro a partir de  R$ 2. Geralmente, essa cifra não ultrapassa dois dígitos. Quem preparou esta receita foi Gustavo Guimarães, do bar La Taperia. “Acredito que fique bem com pescados e frutos do mar, porque é drinque leve”, explica o barman.

Receita:

Descasque e macere meio limão siciliano. Adicione umas  cinco pedras de gelo, 40ml de licor, 60 ml de gim e misture na coqueteleira.

Coloque o líquido numa taça e complete com Schweppes Citrus.

Bote raspas de limão siciliano dentro e decore a borda da taça com as raspas da casca do limão.

Catuaba Selvagem

Com fama de afrodisíaca, a Catuaba Selvagem impressiona já pelo rótulo. Na frente da garrafa, um casal com roupas de Tarzan e Jane fazem a maior pegação no meio da floresta.

Originária de Teresópolis, no Rio de Janeiro, a bebida leva na fórmula vinho tinto doce, a planta catuaba, xarope e suco de maçã, guaraná e marapuama.

Com teor alcoólico de 14%, o resultado da mistura é doce com um final levemente amargo. A garrafa vem com um litro e custa cerca de R$ 7. O autor da receita com a Catuaba é Waldilson Santos, da Casa do Comércio/Senac. De acordo com ele, o drinque acompanha bem qualquer petisco.

Receita:
Coloque gelo no copo. Depois junte uma dose de 40ml de Catuaba Selvagem.Acrescente 20ml de vermute tinto (no caso, o utilizado foi Martini) e 30ml de Brandy.Corte uma fatia de laranja ao meio. Bote uma das metades no drinque e a outra na borda do copo, para enfeitar.

Jurubeba Leão do NorteLançada em 1920 e vendida originalmente em farmácias, a Jurubeba Leão do Norte é uma mistura de vinho tinto seco com um macerado de erva jurubeba, cravo, canela, quássia, boldo e genciana. O gosto meio doce, meio amargo, é responsável por um efeito definido no site do fabricante como “revigorante”.

A fábrica nasceu em Feira de Santana e, 12 anos depois, foi transferida para Salvador. Hoje, ocupa um terreno de 59 mil metros quadrados, no Centro Industrial de Aratu, em Simões Filho. A graduação alcoólica é de 17% e a garrafa, de 600 ml, é a mesma utilizada pela indústria cervejeira. Preço: R$ 8.  

O responsável pelo drinque com a Jurubeba foi Alan do Carmo, do Don Sushi Lounge. “Para beliscar, caem bem bolinho de bacalhau, camarão ou pratos com peixe”, sugere o barman.

Receita:
Corte uma fatia de laranja e passe na borda de uma taça. Em seguida, passe um mix meio a meio de canela com açúcar na parte que foi molhada pela laranja.Numa coqueteleira, bote gelo, 100 ml de suco de laranja, uma colher de sopa de mel e outra de canela. Por fim, adicione 25 ml de cachaça e misture.Na taça, junte a bebida à Jurubeba e enfeite o drinque com um pau de canela.