Mundo

Ataque de míssil dos EUA mata comandante da Guarda Revolucionária do Irã

Pentágono confirma ofensiva e diz que teve objetivo de "prevenir futuros ataques do Irã"

Agência O Globo
- Atualizada em

Um ataque com míssil dos Estados Unidos perto do aeroporto de Bagdá na madrugada desta sexta-feira (3) matou o comandante das Forças Quds, unidade especial da Guarda Revolucionária do Irã, o brigadeiro-general Qassen Suleimani, assim como o número 2 das Forças de Mobilização Popular (FMP), o comandante Abu Mahdi al-Muhandis.

Suleimani, que liderava as Forças Quds desde a década de 1990, era a figura mais reverenciada das Forças Armadas do Irã e uma das autoridades de mais alto nível do país.  Sua morte eleva drasticamente a tensão entre o país e os EUA. Em 2017, ele foi eleito uma das cem pessoas mais importantes do mundo pela revista Time, por seu poder dentro das Forças Armadas do Irã.

Foto: Reprodução

O Pentágono confirmou em comunicado que os Estados Unidos foram responsáveis pelo ataque. "Este ataque teve o objetivo de prevenir futuros planos de ataque do Irã", disse o texto. "O general Suleimani estava desenvolvendo ativamente planos para atacar diplomatas e militares americanos no Iraque e em toda a região".  A Casa Branca confirmou que o ataque foi por ordem direta do presidente Donald Trump.

As vítimas estavam em um comboio das FMP, que atualmente integram as Forças Armadas iraquianas. O ataque deixou ao menos oito pessoas mortas, e acontece três dias após manifestantes pró-Irã tentarem invadir a embaixada americana na capital do Iraque, informaram os serviços de segurança.

O Iraque tem sido palco, nas últimas semanas, de uma espiral de tensão que ameaça transformar o país em um campo de batalha entre forças apoiadas por Estados Unidos e Irã.

O ataque parece ter sido um bombardeio aéreo que atingiu dois veículos, disse um policial, e foi o segundo nos arredores do aeroporto em poucas horas. Um ataque anterior, no final da noite de ontem, envolveu três foguetes e parece não ter deixado feridos.

Segundo um general do Estado-Maior Conjunto do Iraque, Suleimani e o relações públicas das FMP, Mohammed Ridha Jabri, também morto, tinham chegado de avião ao aeroporto de Bagdá vindos da Síria.

O ataque americano aumenta o risco de que o Iraque se torne uma arena de confrontação entre o Irã e os Estados Unidos, que mantêm 5 mil militares no Iraque. As tensões entre Washington e Teerã aumentaram no último ano, depois que o governo Trump se retirou do acordo nuclear assinado entre o Irã e as principais potências globais em 2015.