Mundo

Comunidade mantém cadáveres de familiares morando com os vivos

De acordo com a crença local, após a morte a alma permanece na casa em que a pessoa viveu

Agência O Globo
A comunidade toraja, que vive em região montanhosa de Sulawesi do Sul (Indonésia), tem um peculiaridade que a faz ser um caso único no planeta: os mortos convivem com os vivos.
 Reprodução/Claudiosieberphotography.com
De acordo com a crença local, após a morte a alma permanece na casa em que a pessoa viveu. Assim, os cadáveres são alimentados, bebem água, têm as suas roupas trocadas e fumam como se estivessem vivos.
Alguns deles estão mortos há décadas. Caso de Songa, cujo hábito de fumar é mantido mesmo após 40 anos da morte.
Alguns corpos estão em avançado estado de decomposição e o cheiro desagradável exala longe. Mas nada impede que eles dividam o espaço das residências com outros moradores.
A comunidade toraja, que vive em região montanhosa de Sulawesi do Sul (Indonésia), tem um peculiaridade que a faz ser um caso único no planeta: os mortos convivem com os vivos.
Reprodução/Claudiosieberphotography.com
De acordo com a crença local, após a morte a alma permanece na casa em que a pessoa viveu. Assim, os cadáveres são alimentados, bebem água, têm as suas roupas trocadas e fumam como se estivessem vivos.
Alguns deles estão mortos há décadas. Caso de Songa, cujo hábito de fumar é mantido mesmo após 40 anos da morte.
Alguns corpos estão em avançado estado de decomposição e o cheiro desagradável exala longe. Mas nada impede que eles dividam o espaço das residências com outros moradores