Mundo

Enfermeiro alemão confessa ter matado 100 pacientes

Quando o juiz Sebastian Buehrmann perguntou a Niels Hoegel, se as acusações contra ele eram válidas, o enfermeiro respondeu: "Tudo que eu confessei é verdade."

Agência O Globo
- Atualizada em

Um enfermeiro alemão confessou em depoimento, nesta terça-feira, ter assassinado 100 pacientes com injeções letais para poder desempenhar o papel de herói ao tentar reanimá-los, se tornando o maior assassino em série da Alemanha no período pós-guerra.

Quando o juiz Sebastian Buehrmann perguntou a Niels Hoegel, de 41, se as acusações apresentadas contra ele eram válidas, o enfermeiro respondeu que sim, acrescentando: "Tudo que eu confessei é verdade."

Em 2015, ele já havia sido condenado a 15 anos de prisão depois de ser considerado culpado de matar dois pacientes com o uso de injeções letais. Em janeiro, procuradores apresentaram novas acusações contra ele pelo assassinato de outras 97 pessoas. A corte disse em um comunicado que o número subiu para 100. A confissão de Hoegel não encerra o julgamento, no qual as famílias das vítimas esperam descobrir mais informações sobre os crimes.

"Queremos que ele receba a sentença que merece", disse Frank Brinkers, cujo pai morreu por uma overdose supostamente provocada por Hoegel. "Quando esse julgamento acabar, queremos deixar essa história toda no passado."

Procuradores da cidade alemã de Oldenburg dizem que uma investigação e relatórios toxicológicos mostram que Hoegel injetou drogas possivelmente letais em 35 pessoas em uma clínica de Oldenburg e em 62 outras em Delmenhorst.