Mundo

Hyundai e Kia vão passar por investigação após milhares de queixas de incêndio

Segundo registro da órgão americano, já teriam sido notificados 103 casos de feridos e uma morte

Agência O Globo


A Administração Nacional de Segurança Rodoviária (NHTSA, na sigla em inglês) do governo americano está investigando cerca de três milhões de veículos fabricados pela Hyundai e Kia Motors após mais de três mil registros de queixas de que veículos das duas montadoras sul-coreanas, que pertencem ao mesmo grupo, pegaram fogo mesmo sem estarem envolvidos em um acidente.

Segundo reclamações foram apresentadas à agência ou ao fabricante, haveria um total de 103 feridos e uma vítima fatal, de acordo com dados divulgados pelo NHTSA. As investigações abrangem cerca de 1,7 milhões de unidades de Kia Optima e c, modelos 2011-2014, e Kia Soul, 2010-2015, além de aproximadamente 1,3 milhões de modelos Hyundai Sonata e Santa Fé, 2011-2014.

O KIA Sorento é um dos modelos investigado por agência americana (Foto: reprodução)
Em comunicado, a Hyundai disse estar cooperando com as investigações da NHTSA e afirma ter fornecido “à agência dados abrangentes sobre a questão”. A Kia disse que continuará a trabalhar com a agência americana de “maneira completa e transparente”.

Montadoras já fizeram recall por incêndio

Enquanto a Hyundai e a Kia competem separadamente nos mercados automotivos, elas estão intimamente ligadas como parte de um conglomerado sul-coreano de veículos e autopeças e seus veículos frequentemente compartilham chassis, motores e outras tecnologias comuns.

As duas montadoras já lançaram vários recalls para abordar possíveis quedas de motores e incêndios em alguns dos veículos que estão sendo investigados. As novas investigações vão avaliar a frequência e os riscos apresentados pela suposta falha nos veículos afetados de forma mais ampla, de acordo com a NHTSA.

O Centro de Auto Segurança, um grupo de defesa em Washington, pediu à NHTSA para investigar o risco de incêndios em veículos em vários modelos da Hyundai e da Kia no ano passado.

“Espero que este passo leve rapidamente a um recall emitido o mais rápido possível”, disse Jason Levine, diretor executivo do Centro de Auto Segurança, em um comunicado. “A realidade é que as investigações prolongadas não protegem os proprietários da Kia e da Hyundai —isso requer recalls que resultam em reparos efetivos,” acrescentou.