Mundo

Jovem de 18 anos morre após descobrir parasitas no cérebro

Problema só foi identificado depois que os médicos realizaram uma ressonância magnética e viram os danos causados ​​pelos cistos no córtex e no tronco cerebral

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)
- Atualizada em

Um jovem de 18 anos morreu após médicos encontrarem parasitas em seu cérebro. A vítima chegou à unidade de saúde com com inchaço no olho direito, estava tendo convulsões e apresentava perda de consciência. O relato foi feito por médicos do ESIC Medical College de Faridabad, em Haryana, na Índia. De acordo com com o  "New England Journal of Medicine",  o paciente recebeu diagnóstico de neurocisticercose, uma doença parasitária que afeta o cérebro e é causada pela ingestão de ovos de tênia (Taenia solium), popularmente conhecida como "solitária". Depois de serem ingeridos, os ovos dão origem a larvas que podem se instalar em diversas partes do corpo, incluindo os tecidos musculares e cerebrais. Uma vez alojadas, as larvas formam os cistos.

 Cabeça da tênia sob microscópio
 Foto: TERESA ZGODA/Royal Photographic Society

No caso do jovem de 18 anos, o problema só foi identificado depois que os médicos realizaram uma ressonância magnética e viram os danos causados ​​pelos cistos no córtex e no tronco cerebral do paciente, incluindo o cerebelo, que fica na parte de trás do cérebro, acima da medula espinhal.

Os médicos também descobriram cistos no olho direito e no testículo direito do paciente.Por causa do número e localização dos cistos, os médicos decidiram não tratar o jovem com medicamentos antiparasitários. Eles poderiam agravar o sangramento cerebral e a inflamação, levando à perda de visão. Em vez disso, o paciente recebeu um medicamento chamado dexametasona, além de antiepilépticos.

Apesar do atendimento de saúde, a vítima morreu duas semanas após ser atendido no pronto-socorro. As infecções por cisticercose, com invasões de parasitas, ocorrem em todo o mundo, mas são mais recorrentes principalmente em áreas rurais de países em desenvolvimento e o saneamento básico dessas áreas é precário.

Pacientes com cisticercose não podem transmitir a doença diretamente para outras pessoas, somente as pessoas com uma infecção por tênia no intestino podem espalhar os ovos,  quando a higiene é insuficiente ou ignorada. As informações são do G1.