Mundo

Líder de entidades islâmicas teme morte de mais inocentes com intervenção na Síria

Sheikh Jihad Hammadeh defende outras estratégias contra o governo sírio, em vez da intervenção militar

Agência Brasil
O anúncio do presidente Barack Obama de que os Estados Unidos estão prontos para uma intervenção militar na Síria gera receio de que mais inocentes morram, disse hoje (31) o presidente do Conselho de Ética da União Nacional das Entidades Islâmicas, Sheikh Jihad Hammadeh.

Para Hammadeh, os Estados Unidos assistiram à morte de milhares de inocentes, anteriormente, e não fizeram nada. “Somente agora fizeram um discurso mais forte”, ressaltou. Para ele, os Estados Unidos só agiram agora para defender seus próprios interesses. “É como se o país consentisse a matança em massa, mas não o uso de armas químicas”, explicou.

Veja também:
Obama decide atacar a Síria com militares após atentado com armas químicas

Hammadeh defendeu outras estratégias contra o governo sírio, em vez da intervenção militar. Para ele, os Estados Unidos poderiam ajudar rebeldes com armas e providenciar meios de proteger os civis, além de fazer pressão sobre os países que apoiam o presidente Bashar Al Assad.

O representante das entidades islâmicas ressaltou ainda que, mesmo os ataques militares chamados de “cirúrgicos”, atingem pessoas inocentes. “Quem já sofreu isso, sabe que uma bomba não atinge só o governo. Morrem inocentes e culpados”, disse Hammadeh, que tem parentes e amigos na Síria. Ele teme que o país se transforme em “um novo Iraque ou Afeganistão” e que, com a intervenção,  morra na Síria o mesmo número de pessoas mortas pela ação do governo Assad.

Hoje (31), o presidente norte-americano, Barack Obama, disse que os Estados Unidos estão prontos para uma intervenção militar na Síria. “Nossa capacidade de executar essa missão não é sensível ao tempo; será eficaz amanhã, na próxima semana ou daqui a um mês. E eu estou preparado para dar essa ordem.” Obama ressaltou, porém, que vai pedir o aval do Congresso americano, que está em recesso até 9 de setembro.

Obama disse que não espera a concordância de todos os países com a ação militar na Síria, mas pediu que aqueles que estiverem de acordo declarem isso publicamente. Ele afirmou que tomará a decisão mesmo sem aprovação do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU).