Mundo

Mãe é presa acusada de maltratar sete filhos, estrelas de canal no YouTube

Crianças, com idades entre 6 e 15 anos, passavam fome e ficavam presas por dias num cômodo fechado, eram agredidas com spray de pimenta, cintos e cabides

Agência O Globo

No YouTube, eles são super-heróis, com poderes e fantasias. Em vídeos montados com efeitos especiais, os sete filhos adotivos de Machelle Hackney, de 48 anos, são as estrelas do canal “Fantastic Adventures“, que possui quase 800 mil inscritos e já contabiliza mais de 250 milhões de visualizações. Mas por trás das câmeras, as crianças, com idades entre 6 e 15 anos, passavam fome e ficavam presas por dias num cômodo fechado, eram agredidas com spray de pimenta, cintos e cabides, forçadas a tomarem banhos de gelo entre outros castigos físicos e psicológicos, diz a polícia de Maricopa, no estado americano do Arizona. Machelle foi presa na última sexta-feira, junto com seus dois filhos biológicos, Logan e Ryan Hackney.

Machelle responde aos crimes de moléstia e abuso de crianças, detenção ilegal e negligência. Logan e Ryan, já adultos, são acusados de cumplicidade, por não denunciarem os abusos. De acordo com o “Washington Post”, a denúncia foi apresentada à polícia por uma outra filha biológica de Machelle, no último dia 13, que desencadeou a ação da semana passada. De acordo com as autoridades, o motivo das agressões e abusos era o canal no YouTube. As crianças eram punidas quando esqueciam suas falas ou cometiam erros durante as gravações.

Foto: Pinal County Superior Court
O porta-voz da polícia de Maricopa, Ricardo Alvarado, informou que a custódia das crianças foi removida da mãe adotiva pelo Departamento de Proteção das Crianças. Machelle nega os banhos de gelo e o uso de spray de pimenta, mas duas latas foram encontradas em seu quarto. Segundo ela, as punições que ela impunha aos filhos adotivos eram palmadas e castigos nos cantos da casa.

Porém, os relatos das crianças são aterrorizantes. Elas foram retiradas da escola há alguns anos, para focarem na produção dos vídeos. Quando foram encontradas pela polícia, pareciam malnutridas, abaixo do peso, pálidas e com olheiras. Uma delas, ao ser oferecida, bebeu três garrafas de meio litro d’água em 20 minutos. Outra, ao receber um pacote de biscoito, recusou por medo de a mãe sentir o cheiro de comida em sua boca. Uma terceira disse que não comia há dois dias.

Nas entrevistas com assistentes sociais, as crianças contaram que a mãe jogava spray de pimenta nelas, no rosto e no corpo, inclusive nas partes íntimas, o que causava dores por quatro a cinco dias. Quando se negavam a tomar banho de gelo, tinham suas cabeças afundadas na água. Frequentemente ficavam trancadas no closet do quarto de Machelle, às vezes por períodos de até uma semana.

Ryan Hackney se negou a prestar depoimento. Logan admitiu conhecimento dos abusos e, segundo as autoridades, contou que ele e seu irmão discutiam a possibilidade de denunciar a mãe. As crianças contaram que, às vezes, Ryan levava comida escondida para elas quando estavam presas no closet.

O canal “Fantastic Adventures” continua no ar, mas o YouTube informou que ele foi desmonetizado após a notícia da prisão de Machelle. A companhia não informou quanto já foi pago para a criadora. Cálculos indicam que, em média, canais populares faturam cerca de US$ 10 a cada mil visualizações. Isso sugere que Machelle pode ter faturado até US$ 2,5 milhões explorando os filhos adotivos.

“Nós levamos a segurança no YouTube muito a sério”, afirmou o YouTube, ao “Post”. “Nós trabalhamos com organizações de proteção infantil e outras na nossa indústria para proteger os mais jovens. Quando somos alertados de alegações dessa natureza nós tomamos ações, que podem incluir a suspensão da monetização ou, após a conclusão de uma investigação, o encerramento de canais”.