Mundo

Mães são pressionadas a matar bebês com deficiência, diz estudo

Deficientes são considerados "enfeitiçados", "amaldiçoados" e "possuídos" conforme as antigas tradições e crenças

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)

Um estudo realizado pela ONG Disability Rights Internacional revelou que as mães quenianas são pressionadas a matar seus filhos que nascem com deficiência. No Quênia, deficientes são considerados "enfeitiçados", "amaldiçoados" e "possuídos" conforme as antigas tradições e crenças.

De acordo com a pesquisa, 45% das mães entrevistadas foram pressionadas a matar seus filhos deficientes "por amor". Em entrevista a BBC, a queniana Florence Kipchumba contou que se fosse pela pressão de amigos e familiares teria matado seu filho Meshack. A criança nasceu com a coluna vertebral frágil e sem o controle da cabeça.

Foto: reprodução

Kipchumba tentou morar com uma amiga que lhe ofereceu abrigo, mas ela também sugeriu que matasse o bebê. “Ela me pediu para colocar ácido em sua comida para que ele morresse, mas eu me recusei e saí da casa dela", contou.

Atualmente, o pequeno Meshack tem oito anos e consegue sentar e caminhar curtas distâncias.

A prática do infanticídio tem relação com a crença de que as mães com filhos deficientes estavam sendo punidas por seus pecados.

A ONG Disability Rights Internacional também constatou que no país existe cerca de 3.500 crianças com deficiência em orfanatos. São cerca de 11 crianças abandonadas por semana e 30 por mês.