Mundo

Menina de 9 anos processa coral que só aceita meninos

Família alega que a menina não foi aceita exclusivamente por ser do sexo feminino

Agência Brasil
A família de uma menina de apenas 9 anos, que não teve a identidade revelada, está processando o Coro de Estado e da Catedral de Berlim, na Alemanha, após ela ter um pedido de audição para o grupo rejeitado. O coral mais antigo da cidade foi fundado em 1465 pelo príncipe Frederico II e nunca admitiu a participação de mulheres.
A família alega que a menina não foi aceita exclusivamente por ser do sexo feminino. Eles reforçam ainda que o grupo recebe fundos públicos e, por isso, rejeitar a participação de uma menina violaria as leis alemãs de igualdade de gênero.
A instituição se recusou a comentar publicamente o caso, mas os advogados de defesa do coral, argumentam que a menina não foi rejeitada por causa do sexo e que ela teria sido aceita se tivesse mostrado "excepcional talento e motivação". Foi dito ainda que a voz dela não "combinava com as características sonoras desejadas para um coral formado por meninos".
O caso foi levado ao tribunal após a criança receber duas vezes — em 2016 e 2018 — um não como resposta para sua tentativa de participar de audições. Segundo a família, a criança recebeu por escrito uma mensagem do decano de música da Universidade de Artes de Berlim, dizendo que "uma garota nunca cantará em um coral de meninos".
Segundo o site do coral, atualmente o grupo oferece treinamento para 250 meninos em 75 jovens de até 25 anos em 11 grupos diferentes. Meninos com idade entre 5 e 7 anos, sem experiência na música, são convidados a fazer audições para participar do coral e recebem uma educação musical totalmente gratuita. Além das apresentações na catedral de Berlim, os meninos participam de turnês pela Europa, Estados Unidos, Japão, Rússia e Israel.