Mundo

Mulher é acusada de decapitar a própria mãe: 'achou que tinha como trazer de volta'

A defesa de Jessica Camilleri alega que ela sofria de uma deficiência mental

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)
- Atualizada em

Uma mulher de 27 anos, identificada como Jessica Camilleri, é acusada de assassinar sua mãe Rita Camilleri, 57. Jessica teria esfaqueado a vítima repetidamente e a decapitou, a cabeça, inclusive, foi encontrada na frente da casa de um vizinho, em Sydney, Austrália. O crime aconteceu em julho de 2019 e nesta terça-feira iniciou o julgamento do caso. 

A defesa de Jessica Camilleri alega que ela sofria de uma deficiência mental causada por uma doença psiquiátrica. As investigações apontaram que Jessica era obcecada por filmes de terror e que o filme Massacre da Serra Elétrica é o seu favorito. 

O promotor Tony McCarthy disse ao tribunal que a suspeita admitiu ter matado sua mãe e perguntou repetidamente se alguém poderia trazê-la de volta à vida "se a cabeça fosse cortada e o coração de sua mãe reiniciado".

McCarthy disse que a Jessica Camilleri “tinha uma longa história de agressão a pessoas” e levou a cabeça de sua mãe com ela para mostrar ao seu vizinho. No tribunal, a vítima foi descrita como "excessivamente protetora e defensiva" em relação a ela. 

De acordo com informações da ABC News, após matar a mãe, Jessica ligou para os serviços de emergência e disse que estava agindo em legítima defesa. Ela explicou que a mãe a agrediu e tentou esfaqueá-la primeiro. 

Em depoimento no tribunal, a irmã da suspeita, Kristy Torrisi, contou que Jessica já havia atacado uma tia e sua mãe arrancando seus cabelos.

Ainda segundo a ABC News, Jessica Camilleri foi diagnosticada com dislexia, TDAH, uma deficiência intelectual "leve a moderada" e transtorno do espectro do autismo, e sua irmã disse que ela havia sofrido bullying na escola.